Correio Braziliense - Por Izabelle Torres
Em três anos, a Presidência da República pagou R$ 7,4 milhões à Victory Rent a Car. Apesar do milionário negócio de locação de veículos as duas proprietárias da empresa vivem na miséria. No endereço da locadora funciona uma clínica de estética. TCU investiga o caso.

Texto completo  

Maria Feitosa e Edna Veríssimo são duas sócias da Victory Rent a Car, uma locadora de automóveis registrada no sudoeste, bairro nobre de Brasília. Entre janeiro de 2004 e janeiro de 2006, a empresa recebeu da Presidência da República nada menos do que R$ 7,4 milhões. Mas o padrão de vida das duas mulheres em nada se parece com o de donas de uma sociedade cujo capital registrado no contrato social em 2005 era de R$ 350 mil. Pelo contrário, as empresárias possuem dívidas das mais diversas e , apesar de não se conhecerem, afirmam ignorar as quantias movimentadas pela empresa, que, teoricamente, deveriam engordar as contas bancárias delas.

A sócia Maria Feitosa é uma viúva aposentada residente em Taguatinga que vive com um salário mínimo. Ela entrou na empresa em 2005, depois de ter recebido as quotas equivalentes a quase R$ 200 mil da filha, Bárbara Feitosa, de 26 anos. Bárbara é funcionária de uma faculdade e recebe salário de cerca de R$ 1 mil – renda com a qual sustenta três filhos e ajuda a mãe a se manter. Sobre a locadora, Bárbara diz não saber muita coisa. Diz apenas que assinou alguns papéis e que nunca recebeu qualquer quantia. Informada sobre o contrato milionário da empresa com o governo federal, ela diz  que não tem qualquer conhecimento sobre o assunto. “ Só sei que assinei um papel. Nunca vi esse dinheiro . Se a loja fosse da nossa família, não estaríamos lutando para não perder nossa casa”, desabafou Bárbara, que já teve as contas bloqueadas em decorrência de débitos trabalhistas da locadora. “ Eu nem sei a quem procurar para falar sobre isso “, diz, chorando.

A vida de Edna Veríssimo não é diferente. Apesar de ter entrado na sociedade durante a vigência do contrato com a Presidência da República, teve de deixar, há cerca de um ano, o lugar onde morava – o cômodo do zelador em um prédio modesto no Cruzeiro Novo – porque não conseguia pagar o aluguel de cerca de R$ 100. Edna mudou-se para Ceilândia (...)

 

( ...) Desaparecida  

 

Depois de receber o dinheiro da Presidência a Victory Rent a Car  simplesmente desapareceu. No endereço cadastrado na Receita Federal funciona uma clínica de estética. Sem um responsável, dezenas de intimações judiciais já chegaram à portaria do prédio do pequeno shopping onde a locadora está oficialmente registrada e retornaram sem assinaturas (...)

 

 (...) Um dos relatórios do TCU mostra que " até outubro de 2004 as despesas com aluguel de veículos causaram prejuízos aos cofres públicos ". Não poderia ser diferente. considerando somente o ano de 2004 o valor que a Presidência da República pagou à Victory Rent a Car eqüivale a 19.708 diárias, considerando o custo aproximado de R$ 200 para cada locação de um carro de luxo (...)

Adicionar comentário