Este será o livro adotado em
todas as classes,e o lema:
ARME-SE E LIBERTE -SE

Alunos com toda certeza manipulados por professores também manipulados, numa eleição interna, no Colégio Estadual Presidente Emílio Garrastazu Médici, de Salvador, decidiu que a instituição deve ser rebatizada com um novo nome, deverá se chamar Colégio Estadual Carlos Marighella.
Os eleitores, alunos da escola, deram 406 votos (69%) a Marighella e 128 ao geógrafo Milton Santos. Os nulos foram 25, e os brancos, 27. O resultado será encaminhado à Secretaria da Educação da Bahia, para que o Estado promova uma “reinauguração”, palavra empregada pela diretora do estabelecimento, Aldair Almeida Dantas. Pelo que apuramos o "movimento" ocorreu depois de uma exposição sobre a ditadura militar. Não acreditamos que tenha se mostrado aos alunos o que vem a ser o comunisto que Marighella e seus comparsas desejavam implantar no Brasil. Só concorreram na eleição os nomes de Milton Santos e Carlos Mariguella.

O colégio foi inaugurado em 1972, quando o general gaúcho Médici (1905-85) ocupava a Presidência da República. Mariguella não inaugurou nenhuma escola, é claro. Porém, na cabeça de grande parte dos nossos jovens é símbolo de liberdade e luta pela democracia. O terrorista baiano Carlos Marighella (1911-69) foi declarado pela ditadura, em novembro de 1968, “inimigo público número 1”. Militante comunista profissional na maior parte da vida, ele se incorporou em 67 à luta armada contra o regime. Fundou a maior organização guerrilheira do país e tinha por objetivo implantar um regime comunista no Brasil.


 

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar