Por Aluisio Madruga de Moura e Souza.
           
            Com o Intentona Comunista VII, encerramos a série de sete artigos nos quais procuramos mostrar aos mais jovens e relembrar aos de idades mais avançadas o que foi o episódio indigno ocorrido em 1935, perpetrado pelos comunistas. Deste os mesmos até hoje se vangloriam. São uns cínicos mentirosos. Neste dia 27/11/2013 o episódio completa 78 anos. E jamais será esquecido. É importante continuarmos atentos para que o fato não volte a se repetir pois se esta quadrilha que aí está tiver oportunidade fará tudo de novo. 
           
            Dados extraídos da Revista do Clube  Militar nº 442 de agosto/setembro/outubro/2011.

 

         “Toque de Silêncio - todos os anos, o 27 de novembro de 1935 é lembrado pelas Forças Armadas Brasileiras numa cerimônia – preito de lembrança àqueles que tombaram naquela data fatídica. Antes, ‘o monumento-túmulo do herói’ ficava no Cemitério  São João Batista no Rio/RJ. Posteriormente,o mesmo foi transportado para a Praia Vermelha, onde tombaram muitos daqueles bravos.
Em 1961, o grande poeta Carlos Maul escreveu um poema primoroso, que o então Ministério do Exército fez publicar em sua imprensa oficial e distribuir numa manhã triste em que as Forças Armadas compareciam àquele Campo Santo, mais uma vez para prestar sua singela homenagem”.

Eis o poema:

O sino velho do cemitério                                                  Nunca deixasse de cobrir o mundo                                          
Bateu três pancadas:                                                        Com o seu manto de estrelas?
Eram os mortos que entravam                                           Por que os mataram,
Para ser enterrados,                                                        Se eram tão puros e tão nobres
Para que a terra os acariciasse com ternura                         Que nem acreditavam na maldade,
Como a vida não os acariciara...                                         E tão presos estavam ao seu sonho
Para que a podridão de seus corpos                                  Que dormiam tranqüilos?
Refulgisse, à noite, em fogos-fátuos,                              
E, através das raízes das plantas,                                      Mataram-nos por isso, mataram-nos        
Subissem às flores carregadas de perfume.                        Porque sabiam            
Eram os mortos que entravam                                        Que eles nunca se levantariam                                  
Para ser enterrados...                                                    Para unir-se a bandidos que queriam
                                                                                 Fazer de sua terra uma terra de escravos
De onde vinham eles,                                                    Naquela madrugada,                                     
Tantos assim, de uma vez?                                            O sangue de inocentes encharcou o chão.                                    
E quantos eram? Eram muitos,                                       Ali bem perto,                                  
Eram dezenas,                                                             Uma praia tinha o nome de vermelha
E eram todos soldados do Brasil.                                     Mas era branca como a sua areia,
                                                                                Como a espuma do mar...
Mataram-nos à traição quando dormiam,                         Tingir-se-ia, naquela madrugada,
E foram companheiros que os mataram.                          Com a tinta daquele sangue
Não foi a guerra, foi o crime que os matou.                      De soldados tranqüilos que dormiam
Dormiam no quartel, de madrugada,                               E, depois, os chacais desfilariam
Mas a seu lado,                                                           Risonhos, como hienas satisfeitas,
Em sinistra vigília,                                                         Dentes à mostra nas fotografias            
Companheiros sem alma conspiravam,                             Que muitos viram
Sem alma porque a tinham vendido                                E logo esqueceram   
ao estrangeiro de vestes vermelhas...
Eram os filhos malditos de Caim.                                     Moços que nascestes naquele ano,
Mas por que os mataram, por que os mataram,                Que hoje tendes vinte e seis,
Se o seu pensamento,                                                 Não podeis compreender aquele quadro,
Se o seu sentimento,                                                   Porque dele, vagamente,
Era o de homens livres                                                 Vos foi dada a notícia
Armados para que a liberdade                                      O mais que vos contaram

 

Foi que houve uma intentona,                                            Na lama dos pântanos...
Um motim de quartel,                                                       Silêncio, porque os vivos estão vivos
E misturaram as palavras,                                                   E comandam,
Embrulharam a língua,                                                       Silêncio, porque os mortos já morreram.
Para que na vossa memória                                                Mas é bom não esquecer
Se confundissem                                                             Que há mortos que são como o Sol
O banditismo e a glória.                                                    Que morre todas as tardes
                                                                                    Para no dia seguinte renascer...
Para que em vossos corações ingênuos,
Virgens da marca da maldade,
Vibrasse apenas a corda da piedade.
O crime deixara de ser crime,
Era somente loucura,
Era alucinação de mocidade...
Ninguém matou ninguém...
Os mortos
Estavam mortos e enterrados,
Mas os vivos
Precisavam de ser recuperados.
E a grande palavra,
A palavra-esponja,
A palavra-esquecimento,
Era chamada à boca desse palco
Onde se representaria
A comédia do Silêncio.
O silêncio eterno dos que morreram,
O silêncio eterno
A proteger os monstros que ficaram.
Moços patrícios
De vinte e seis anos
Nada sabeis, que nada contaram.

No cemitério,
As cornetas dos soldados
Tocaram um dia o toque de silêncio,
O toque triste
Que é a última voz do mundo
A ferir os umbrais da eternidade,
O toque-lâmina sonora
Que parece rasgar o ar
E cortar as almas...
O silêncio...O silêncio...
E ele terá de ser cada vez mais profundo,
Ser uma pedra esquecida
Sobre os túmulos desses mortos
Que foram pedaços vivos do Brasil,
E eram carne palpitante do Brasil!
Silêncio...Silêncio,
Para que esses mortos não escutem
O que se diz cá fora,
Para que não ouçam, por milagre,
O outro toque de silêncio,
O toque infame
Que ordena aos vivos calar a sua revolta,
A afogar a sua cólera

 

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar