EVANDRO ÉBOLI 
O Globo - 19/10/2013 
Procurador-geral deu parecer favorável à extradição de argentino acusado dessa prática na ditadura daquele país

BRASÍLIA - Num parecer favorável à extradição de um policial argentino acusado de ter participado de torturas durante a ditadura argentina, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, manifestou-se favorável à punição, também no Brasil, de agentes militares que cometeram violação semelhante, além de morte  e desaparecimento de militantes de esquerda. Para Janot, esses crimes são imprescritíveis e não estão cobertos pela Lei da Anistia, diferentemente do que havia sustentado seu antecessor, Roberto Gurgel, e o próprio Supremo Tribunal Federal.
A divulgação do parecer não agradou a ministros do STF que sequer analisaram o pedido de prisão do argentino, o que poderia até facilitar uma fuga de Montenegro, o argentino alvo do pedido de extradição. O parecer  de Janot foi retirado ontem da página da PGR, onde ficou exposto por dez dias.  A posição de Janot animou ex- presos políticos e defensores da punição para os militares acusados de praticar esses crimes na ditadura. Gilney Vianna, ex-perseguido e coordenador do Projeto Direito à Memória e à Verdade da Secretaria de Direitos Humanos, crê que a manifestação de Janot pode reverter a decisão do STF.

 

O Supremo já decidiu que a anistia atingiu todos os crimes e, portanto, os torturadores não poderiam ser responsabilizados criminalmente no Brasil.  — o procurador foi além do caso do argentino e colocou três questões fundamentais: que o direito internacional, suas convenções, precisam ser internalizadas; declarou serem imprescritíveis esses crimes; e entendeu ser o sequestro um crime permanente. E uma esperança para os familiares de dezenas de desaparecidos políticos — disse Gilney.

Mas o STF, em setembro, já  examinou caso parecido e não mudou o entendimento sobre a anistia. Num caso de sequestro, o tribunal considerou que o crime de sequestro na ditadura e até hoje não esclarecido pode justificar a extradição do estrangeiro.  O presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, destaca que o parecer de Janot inova ao defender que também são imprescritíveis outros tipos de crime contra a humanidade, como genocídios, massacres e torturas generalizadas.

Por outro lado, Abrão ressalta que o parecer não se estende aos crimes cometidos na ditadura:  — Se não houver resposta séria e forte para esse tipo de crime, estamos sinalizando para o futuro uma regra de ouro, que é qual? Ditadores do futuro, torturadores do futuro, genocidas do futuro, loucos do futuro, novos Hitleres do futuro, façam o que quiser, só não se esqueçam de antes de sair do poder aprovar para vocês mesmos uma lei que perdoa as ações que vocês fizeram.
 

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar