Partido dos Trabalhadores: seu Desgoverno e as Forças Armadas
Por Aluisio Madruga de Moura e Souza
            Como informado no artigo anterior citaremos mais alguns exemplos da pregação sobre a importância da Violência Revolucionária por parte dos militantes e grupos que fazem o Partido dos Trabalhadores.            “A revolução de 1964 foi benevolente, pois apesar de ter desbaratado as organizações que adotaram a luta armada, não chegou a extremos como na Argentina e Uruguai, países onde a repressão praticamente dizimou uma geração inteira de elementos ligados à esquerda. Este fato ocorrido entre nós permitiu que as organizações do passado voltassem a se agrupar de forma mais compacta, podendo tirar proveito dos ensinamentos deixados pelo fracasso sofrido”. Nesta mesma ocasião foi dito que “terrorismo contra militar não era terrorismo e sim uma forma de luta contra o imperialismo”. Flávio Koutzi, militante da Tendência Partidária Democracia Socialista”(TP/DS) que deu origem ao hoje P SOL, ao proferir palestra nas dependências do Plenário da Câmara Legislativa do Rio Grande do Sul, no  1º semestre de 1989.


             “ Nova República não passa de conspiração. A revolução total dentro da sociedade capitalista tem que se tornar Luta Armada”. Florestan Fernandes, professor considerado o Pai da Sociologia no Brasil, ligado ao trotskismo internacional e ao PT. Entrevista à Folha de São Paulo de 22 de junho de 1986.

             “O Partido Revolucionário Comunista(PRC) repudia qualquer aliança com a burguesia e não tem dúvida de que a violência revolucionária será necessária para que a classe operária chegue ao poder”. Ozéas Duarte de Oliveira, ex-membro do Comitê Central  do Partido Comunista do Brasil(PC do B) e a época membro do Comitê Central  do PRC. Entrevista ao Jornal do Brasil de 18 de julho de 1984. Lembro ao leitor que para o comunista a classe operária no poder significa ter em mãos o Executivo, Legislativo e Judiciário e  que eles estão trabalhando para isto. Esta é a revolução que está em marcha.

             “ Não acredito na via eleitoral ou democrática como pretende o PDT  de Brizola. Não consigo ver na história nenhum exemplo de socialismo chegar ao poder sem que fosse de forma traumática”. Maria Luiza Fontenele, militante do PRC, eleita prefeita de Fortaleza/CE pelo PT, ao Correio Braziliense, de 22 de novembro de 1985.

             “ O Trabalho Para Reconstrução da Quarta Internacional (OT/QI) não descarta a Luta Armada como meio de consecução de seus objetivos, admitindo a formação de piquetes de greves armados, que devem reagir à  força em um confronto com os órgãos de segurança, como preconizava Trotski”. Curso de formação de quadros da organização em 1986.

                 Das resoluções do 1º Congresso do Partido Revolucionário Comunista(PRC), ocorrida em janeiro de 1984, extraímos os seguintes trechos:

            “ ... A revolução social do proletariado será necessariamente violenta. A luta armada é um componente essencial de sua realização...”.

            “A luta de classes no Brasil ingressou num período novo, com episódios de rompimento da legalidade, de violação dos tecidos constitucionais, com ampliação sem precedentes das ações de massa e o seu ingresso na luta política. Está germinando a semente da revolução”.

            Para o partido trata-se de aproveitar estas condições, ampliar cada vez mais as mobilizações, radicaliza-las, aprofundar o seu cunho antiditatorial  e disputar a hegemonia das massas com a burguesia liberal, empurrando-as para o enfrentamento cada vez maior com a oposição”.

            Neste momento cabe destacar que após três tentativas infrutíferas para chegar à Presidência da República, o PT adotou nova postura em relação as anteriores, tendo mudado seu discurso até então radical. Em vez de compor apenas com os partidos de esquerda, seus tradicionais e naturais aliados, a agremiação decidiu investir também em partidos ditos até então de centro e até de direita, na crença de que esta nova postura o levaria à Presidência da República. E o levou! Deu certo... Lula foi eleito!

            Desde então passou a adotar a doutrina de Gramsci que entrelaça o liberalismo com o marxismo, por meio da “guerra de movimento” e “guerra de posições”. Segundo ele, a “guerra de posições” não visa apenas a conquista do poder do Estado mas, principalmente, a posse gradual da sociedade, que no seu entender significa o domínio da rede de instituições educativas, religiosas, culturais e demais instituições que possam disseminar um novo modo de pensar, capaz de fornecer uma doutrinação moral e intelectual de caráter unitário. E para cumprir o que determina esta nova estratégia é preciso uma constante infiltração e subversão dos múltiplos e complexos mecanismos de dominação ideológica, quer dizer, - do aparelho de Estado – que segundo o ideólogo se resume na “sociedade política”. Daí a necessidade da existência do atual número exagerado de  ministérios, com missões revolucionárias múltiplas, inclusive de repassar para o Partido, uma parcela do que seus militantes recebem pelo cargo que ocupam, já que o cargo é do partido e não do militante.

Logo, para Gramsci, a condição indispensável para a vitória do proletariado é o desinteresse da  “sociedade civil pela sociedade política”, provocando a erosão do domínio ideológico burguês, sua substituição por uma  hegemonia marxista e a adesão do espírito popular aos novos princípios.

Resumindo: a estratégia de Gramsci e que vem sendo adotada pelo Partido dos Trabalhadores  tem como objetivo conquistar um após outro, todos os instrumentos de difusão ideológica como escolas, universidades, editoras, meios de comunicação social, sindicatos e, se possível,  toda a cúpula do Executivo, Legislativo(lembrem-se do mensalão), Judiciário e, finalmente, anulando as Forças Armadas. Estão conseguindo?

Aluisio Madruga é autor dos livros:

- Guerrilha do Araguaia – Revanchismo – A Grande Verdade

- Documentário – Desfazendo Mitos da Luta Armada       

 

--

 

Comentários  
#1 domenico 23-03-2013 16:51
Pelo "andar da carruagem", parece que os apologistas de Gramsci estão conseguindo manobrar os Poderes e o povo. Haja visto, a inércia que se instalou naqueles que poderiam se opor, energicamente, a isso.
Adicionar comentário