Imprimir
Categoria: Revanchismo
Acessos: 2282

 

   Carta enviada ao presidente, aos vice presidentes e aos diretores das Organizações Globo

 

A respeito da matéria publicada no jornal O Globo, edição de domingo, 25/02/13,  de autoria do repórter Thiago Herdy, sob o título "Dor  acompanha filhos de presos torturados", desejo cunha-la como fantasiosa, facciosa e inverídica.

 

  Para respaldar minha afirmativa, transcrevo, a seguir, excerto da sentença prolatada pelo Excelentíssimo Sr. Juiz de Direito Gustavo Santini Teodoro, ao julgar o processo movido pela família Teles contra mim,  onde me acusa de maus tratos e da prisão de seus filhos:

" 2.4. Entretanto, a prova testemunhal ficou muito vaga quanto aos autores Janaina de Almeida Teles e Edson Luis de Almeida Teles, então menores de idade, filhos dos autores César Augusto e Maria Amélia. Realmente, as testemunhas não viram Janaina e Edson na prisão. Ninguém soube esclarecer se os então menores realmente viram os pais com as lesões resultantes das torturas. Nada indica que eles teriam recebido ameaças de tortura, ou sido usados como instrumento de tortura de seus pais. Mesmo o relato do réu em seu livro “Rompendo o Silêncio” não corresponde a uma confissão (fls. 17), pois, ainda que por dedução e indução facilmente se possam identificar os nomes das crianças mencionadas na narrativa, não há reconhecimento da prática de tortura contra elas, ou da utilização dos infantes como instrumento de tortura de seus pais. JULGO IMPROCEDENTE o pedido formulado pelos autores Janaina de Almeida Teles e Edson Luis de Almeida Teles, os quais, porque sucumbentes, arcarão com custas, despesas processuais e honorários dos advogados do réu, fixados estes, de acordo com a norma já invocada, em dez mil reais, com atualização monetária pela tabela prática a partir desta sentença. P.R.I. São Paulo, 7 de outubro de 2008. GUSTAVO SANTINI TEODORO Juiz de Direito "

  

Como visto, essas acusações, já declaradas infundadas pela justiça, são agora “descuidadamente” repetidas por esse conceituado veículo de informações, continuando, dessa forma, a impingir-me doloroso e injusto dano moral.

  

Assim, confiando na seriedade e no compromisso com a verdade que certamente são apanágios desse noticiário, venho solicitar que o assunto seja esclarecido mediante publicação desta missiva em próxima edição, onde deverá gozar do mesmo destaque atribuído à matéria que a originou.

  

Atenciosamente

 

Carlos Alberto Brilhante Ustra

 Coronel Reformado do Exército Brasileiro