Da esquerda para a direita Paulo de Tarso, Cláudio Torres,
Manoel Cyrillo, Silvio Da-Rin - o cineasta -, Daniel Reis e Franklin
Martins, depois de encerrada a filmagem do
 documentário que
se chama Hércules 2456 avião que conduziu, no dia
7 de setembro de 1969, para o México, 15 presos po-
líticos brasileiros trocados pelo embaixador norte-
americano Charles Burck Elbrick. O grupo , com excessão
do cineasta, sequestrou, juntamente com outros mili-
tantes , o diplomata e exigiu em troca de sua vida, 15
presos. As exigências do sequestradores foram feitas
em nome do MR-8, que oficialmente , se apresentava
como nova organização.
Veja o trailler do filme clicando AQUI
Foto Jornal Contato

Decidindo iniciar as ações armadas, a Dissidência da Guanabara (DI/GB) enviou, em janeiro de 1969, João Lopes Salgado para o interior da Bahia, a fim de comprar armas. Ao mesmo tempo, iniciou treinamentos de tiro numa fazenda próxima a Jequiá, através de Cláudio Torres da Silva. Quatro meses depois, esses treinamentos intensificar-se-iam na praia do Peró, em Cabo Frio, e numa praia próxima a Búzios.
Após roubar diversos carros, a DI/GB realizou três assaltos no Rio de Janeiro, que tiveram repercussão:
- em 15 de fevereiro, ao Hospital Central da Aeronáutica, onde Daniel Aarão Reis Filho, João Lopes Salgado, Cid de Queiroz Benjamin e Cláudio  Torres da Silva roubaram a metralhadora Ina  da sentinela;
Texto completo
- em 23 de fevereiro, ao Bar Castelinho, na Avenida Vieira Souto, onde esses quatro militantes e mais Stuart Edgard Angel Jones levaram cerca de 10 mil cruzeiros novos;
-  e, em 24 de março, ao Banco de Crédito Territorial, no bairro de Bonsucesso/RJ, onde esses mesmos  cinco militantes roubaram cerca de 38 mil cruzeiros novos
Em abril de 1969, a DI/GB realizou a sua III Conferência
 Estiveram presentes:Daniel Aarão Reis Filho, Franklin de Souza Martins,José Roberto Spiegner, Stuart Edgard Angel Jones, João Lopes Salgado, Cid de Queiroz Benjamin e Vera Silvia Araújo Magalhães.
Nela, importantes decisões foram tomadas pela organização a fim de melhor estruturar-se para a luta armada. Profissionalizou diversos quadros, montou "aparelhos", elegeu uma Direção Geral (DG) - integrada por Daniel Aarão Reis Filho, Franklin de Souza Martins e José Roberto Spiegner - e criou três frentes de atuação:
- Frente Operária (FO), 
-  Frente de Camadas Médias (FCM) e
- Frente de Trabalho Armado (FTA).
 A Frente Operária - FO -, assistida por Daniel Aarão Reis Filho e dirigida por Stuart Edgard Angel Jones, tinha o objetivo de realizar  o trabalho de agitação e propaganda no meio operário.
Integrada por diversos militantes, a FO realizaria, no 2º semestre de 1969, panfletagens nas seguintes empresas, todas no Rio de Janeiro: Remington, e Eternit, em Guadalupe; Cortume Carioca, na Penha; Metropolitana, no Jardim América; Estaleiros Caneco e Ishikawajima, no Caju; e Ciferal, em Ramos.
 Entre os militantes da Frente Operária estavam : Lúcia Maria Murat Vasconcelos, Mário de Souza Prata, Marcos Dantas Loureiro, Marcos Aarão Reis e Solange Lourenço Gomes.
A Frente de Camadas Médias - FCM -, assistida por José Roberto Spiegner e dirigida por Carlos Alberto Vieira Muniz, atuava na "pequena -burguesia" e,  particularmente, no meio universitário e secundarista.
Faziam parte da Frente de Camadas Médias,  entre outros, Carlos Augusto da Silva Zílio  e Carlos Bernardo Wainer.. A sua principal atividade foi  a organização dos estudantes nas manifestações de protesto ocorridas durante  a denominada  "Semana de Rockfeller", em junho.
A Frente de Trabalho Armado - FTA -, assistida por Franklin de Souza Martins e dirigida por João Lopes Salgado, era responsável pelas ações armadas - roubos e assaltos, a fim de conseguir fundos para  a DI/GB.
Além desses dois militantes a Frente de Trabalho Armado foi constituida por  Cid de Queiroz Benjamin, Cláudio Torres da SIlva e Vera  Sílvia Araújo Magalhães. Posteriormente ingressaram José Sebastião Rios de Moura e Sérgio Rubens de Araújo Torres.
A DI/GB  resolveu iniciar um trabalho de campo no interior da Bahia e criou o Setor de Imprensa , na FCM, chefiado por Fernando Gabeira e Helena  Bocayuva Khair, que publicava os jornais  " Luita Operária" , destinado  à Frente Operária, e "Resistência", para a Frente de Camadas Médias, destinado a captar a "pequena burguesia"  e os  universítários e secundaristas para  a luta armada.
 Após a conferência, os integrantes da FTA iniciaram uma série de roubos de carros e assaItos na Guanabara;
-  em 09 de maio assalto à usina da Light, no Leblon, onde agrediram e roubaram a metralhadora INA do soldado da PM que estava de guarda;
-  em  4 de julho, assalto à Rural Willys do Banco Mercantil de Niterói, que transportava o dinheiro dos supermercados "Disco", na Rua Farme de Amoedo, em Ipanema, da qual levaram cerca de 60 mil cruzeiros novos;
-  em 4 Ago, assalto à Kombi do Banco Português do Brasil, na Rua Djalma Ulrich, em Copacabana, da qual levaram cerca de 55 mil cruzeiros novos;
- em 14 Ago, assalto à residência do Deputado Federal Edgard de Almeida, na Avenida Atlântica, em Copacabana, de onde roubaram quase 50 mil dólares, em dinheiro, e jóias, estimadas no valor de 600 mil cruzeiros novos;
-  e,,ainda em agosto, assalto à Kombi dos Supermercados "Mar e 'Terra, na Rua Hadock Lobo, na Tijuca.

Fonte : Projeto Orvil
Adicionar comentário