Gilberto Cardoso pode até conseguir "um cordão
de isolamento" em torno de Lula, mas será que
conseguirá isolar o Lula da ira de Dona Marisa?
Lula sempre disse que a "Galega" era braba!...
Depois de divulgado relatório envolvendo o ex-presidente, ministro é primeiro o palaciano a tentar blindar Lula. Inquérito mostra que GSI recebeu aviso sobre a operação da PF dois dias antes de ela ser deflagrada
João Valadares - Karla Correia - Paulo de Tarso LiraJ - CorreioBraziliense 
Em meio ao esforço em criar um cordão de isolamento em torno da ex-chefe de gabinete do escritório da Presidência em São Paulo, Rosemary Noronha, o Palácio do Planalto escalou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, para minimizar os reflexos da Operação Porto Seguro no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Texto completo
O ministro veio a público negar que as revelações trazidas pela operação da Polícia Federal representam qualquer incômodo para o ex-presidente. "Não tem nenhuma complicação para o ex-presidente Lula", afirmou Gilberto Carvalho ontem, antes de uma reunião no Ministério da Previdência Social.
Na tarde de ontem também, pela primeira vez, o Instituto Lula pronunciou-se oficialmente desde que o escândalo envolvendo a ex-chefe de gabinete da presidência estourou, após surgirem na imprensa, pelo segundo dia consecutivo, mensagens de Rose afirmando que levaria os pedidos de indicação ao "PR" — presidente, segundo a Polícia Federal. De acordo com o Instituto, é função do gabinete da presidência em São Paulo receber todas as demandas e encaminhá-las ao presidente.
Novos diálogos captados com autorização judicial mostram que Rosemary tinha uma desenvoltura bem maior do que a apontada até o momento no inquérito. Reportagem veiculada pelo Jornal Nacional de ontem traz Rose brigando com os irmãos Paulo e Rubens Vieira — dois indiciados pela PF —, incomodada pelas pressões em troca das nomeações. "Eu não sou boba, eu não nasci ontem." Em outro trecho, ela reclama com seus companheiros de quadrilha que tinham pressa nas mudanças no Banco do Brasil. Ela afirma que é preciso esperar que os novos diretores "sentem na cadeira".
Trechos do relatório da Polícia Federal mostram que o Planalto teve conhecimento da operação com antecedência. Segundo informações obtidas pelo Correio, a juíza federal Adriana Freisleben de Zanetti determinou que a Polícia Federal informasse ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) que a ex-chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo Rosemary Nóvoa de Noronha seria alvo da operação Porto Seguro. A Justiça ordenou que o comunicado fosse emitido na quarta-feira da semana passada, dois dias antes do início da operação comandada pela PF. Rosemary foi indiciada por corrupção ativa e lavagem de dinheiro.
Questionado pelo Correio, o GSI confirmou oficialmente que recebeu o alerta sobre a operação e deixou claro que a presidente da República Dilma Rousseff foi comunicada . "O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República informa que foi avisado sobre a Operação Porto Seguro e que tomou as medidas cabíveis decorrentes afetas a sua competência legal", diz a nota oficial.
Juristas ouvidos pela reportagem foram unânimes em afirmar que o procedimento é correto em razão de o alvo trabalhar numa área bastante sensível. Um procurador da República afirmou que, se a Presidência da República não fosse informada, havia um grande risco institucional. Os agentes da PF realizaram busca e apreensão no escritório da Presidência da República e no apartamento onde Rosemary mora, em São Paulo.
 
ProximidadeAs mensagens colecionadas durante a operação dão indicações que Rosemary usava do relacionamento próximo que tinha com o presidente para influenciar em nomeações no alto escalão do governo federal, e que Lula foi consultado sobre a nomeação de envolvidos no esquema da venda de pareceres técnicos forjados. Em outra mensagem, de abril de 2009, ela se compromete com Paulo a agendar uma reunião com "JD". De acordo com a Polícia Federal e com o Ministério Público Federal, JD seria o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, de quem Rosemary foi secretária.
A crise gerada pela operação da PF começa a turvar a relação entre o PT e a presidente Dilma Rousseff. Parte da legenda reclama que, ao promover as amplas exonerações e enviar ministros para o Congresso para explicar os desdobramentos do escândalo, Dilma minimizou as consequências do caso em relação ao ex-presidente.
 

Comments powered by CComment