O Estado de São Paulo - 11 Nov 2012   
Subcontratado por entidade ligada ao PC do B, João Batista Machado afirma que dinheiro que serviria para pagar alimentação de crianças Foi parar nas mãos de políticos
O dono de uma empresa subcontratada para fornecer alimentos a crianças atendidas por um programa de esportes do governo federal diz que cerca de 90% dos R$ 4,65 milhões que recebeu dos cofres públicos entre 2009 e 2010 foram desviados para políticos de Brasília, Santa Catarina e Rio.
"Era tudo roubo. Vi maços de dinheiro serem distribuídos", afirma o dono da JJ Logística Empresarial Ltda., João Batista Vieira Machado, em entrevista exclusiva ao Estado.
Machado diz que foi usado em um esquema montado para fraudar o Segundo Tempo, programa do Ministério do Esporte que atende crianças em atividades físicas em horário extraescolar.
A microempresa sediada no município de Tanguá, na região metropolitana do Rio, foi subcontratada pelo Instituto Contato, entidade sem fins lucrativos dirigida por integrantes do PC do B de Santa Catarina que mantinha dois convênios com o Ministério do Esporte. Machado tinha de fornecer lanches para as crianças.
O dono da JJ Logística, porém, afirmou ao Estado ter fornecido alimentos cujo valor atingiu apenas R$ 498 mil. Os outros R$ 4,15 milhões saídos dos cofres públicos federais que teriam de ser usados para o fornecimento de lanches para as crianças acabaram desviados "para fins políticos", segundo as palavras de Machado.
Irregularidades no Programa Segundo Tempo já custaram o cargo do então ministro do Esporte Orlando Silva, demitido pela presidente Dilma Rousseff em outubro do ano passado - a pasta hoje é comandada por Aldo Rebelo, também do PC do B. No último dia 7 de outubro, Orlando não conseguiu se eleger para o cargo de vereador de São Paulo.
O dono da JJ Logística aponta como responsáveis pelos desvios a ONG catarinense que a subcontratou e o empresário José Renato Fernandez Rocha, o Zeca, ex-assessor parlamentar do deputado federal Dr. Paulo Cesar (PSD-RJ).
"O dinheiro vinha do Ministério do Esporte para a ONG de Santa Catarina, que passava para cá. Daqui sacava o dinheiro e mandava de volta para Brasília e Santa Catarina. Retornava o dinheiro todo", afirma o empresário. "O José Renato (Fernandez Rocha) sacava o dinheiro, colocava numa sacola e levava tudo embora para Brasília e Santa Catarina", diz o dono da JJ Logística, que alega não saber exatamente para quais políticos o dinheiro era encaminhado.
Um terceiro personagem, identificado pelo denunciante como Wellington Monteiro, era o articulador entre as pontas do esquema no Rio, Brasília e Santa Catarina. 
Mentira anterior
Em fevereiro de 2011, o Estado revelou as primeiras irregularidades envolvendo o Instituto Contato. Além de problemas formais e de prazo na execução dos projetos, a reportagem mostrou que a entidade promovia aulas de tênis na rua e com raquetes de plástico e fornecia suco fora do prazo de validade. Procurado na época, Machado confirmou que fornecia lanches para a ONG catarinense, mas citou os desvios. "Fui orientado pelo José Renato a mentir naquela ocasião", diz Machado.
O dono da JJ Logística afirma ter sido "laranja" do esquema. Ele diz que se apresentará amanhã à Polícia Federal para prestar depoimento. Machado também promete levar documentos para as autoridades: notas fiscais, contrato social e alterações e cópias de cheques emitidos.
A documentação, a qual o Estado teve acesso, mostra que a JJ Logística pagou no período em que recebia repasses do Programa Segundo Tempo contas de condomínio em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, faturas de lojas de material de construção, oficinas mecânicas e lojas de tinta. Todos os cheques são assinados por Fernandez Rocha, que também usou as folhas para sacar quase R$ 2 milhões.
O contrato social mostra que foi Fernandez Rocha quem fundou a JJ Logística em abril de 2005. Mesmo depois que a transferiu para João Machado em fevereiro de 2008, continuou assinando os cheques da companhia. Além de atuar na JJ Logística, Fernandez Rocha também é sócio da MLH Comercial Ltda. A empresa recebeu R$ 1,35 milhão da ONG ligada ao PC do B.
Machado diz ter decidido denunciar o esquema por ter sido enganado por Fernandez Rocha. "Éramos amigos, mas quero botar eles na cadeia. Peguei empréstimos de R$ 280 mil e agora me viraram as costas", diz o empresário. "O Segundo Tempo é complicado. É por isso que decidi falar. Para me livrar ou para me enterrar mais. Porque depois que você entra numa dessas, você fica vulnerável com esses caboclos e pode tomar um tiro a qualquer momento." 
Empresa também deu recibo para gastos de deputado
As fraudes com a JJ Logística Empresarial não se limitaram ao Programa Segundo Tempo, segundo João Batista Machado. O deputado Dr. Paulo Cesar (PSD-RJ) usou notas e recibos da empresa para justificar gastos com verba de gabinete e despesas em sua campanha eleitoral de 2010, no total de R$ 52,5 mil. De acordo com o empresário, no entanto, nenhum serviço foi prestado ao parlamentar. “Tudo nota fria”, disse Machado. “O doutor ( Paulo Cesar) pegou as notas com a empresa quando ele foi candidato. E em Brasília também. É tudo nota fria. O doutor pecou nisso aí”, afirmou. Na prestação de contas da campanha de Dr. Paulo Cesar, a JJ Logística consta como fornecedora de imóvel para locação. Um cheque no valor de R$ 20 mil teria remunerado a empresa, segundo informações dadas pelo parlamentar – eleito pelo PR – à Justiça Eleitoral. O deputado também usou três recibos da JJ Logística para justificar o uso de R$ 32,5 mil de sua cota parlamentar. Neste caso, a justificativa foi a “divulgação da atividade parlamentar”. O deputado garantiu que os serviços foram prestados. “Eu tenho as notas e recebi o serviço”, disse o parlamentar. Ele afirmou que entrou em contato com a JJ Logística por intermédio de seu então assessor José Renato Fernandez Rocha. Sobre o fato de ter enviado o assessor com passagens pagas pela Câmara quatro vezes a Santa Catarina, sede do Instituto Contato, o deputado argumentou que costuma mandar seus auxiliares a outros Estados para ajudá-lo na elaboração e relatoria de projetos de lei. “Às vezes eu não posso ouvir os diversos segmentos interessados no projeto.” Paulo Cesar não soube dizer em que projeto Fernandez Rocha o auxiliou indo quatro vezes a Santa Catarina./ A.J.

 

Comments powered by CComment