Imprimir
Categoria: Corrupção
Acessos: 2067
 Tânia Rangel - Pedro Abramovay - O Globo - 02/09/2012 
O julgamento do mensalão acabou? Essa parece ser a sensação geral quando se leem muitos dos comentários na imprensa. A fadiga resultante de um mês de julgamento transformou as condenações já feitas em previsão de condenações generalizadas.
Isso pode ocorrer. Mas há muitas discussões que ainda estão em aberto.
Texto completo
A primeira, claro, é: houve ou não compra de votos? Alguns afirmam: como o STF condenou os primeiros réus por corrupção, já se pode assegurar que os outros também serão condenados.
Mas esse é um julgamento. Não uma máquina de condenações. Os fatos são muito distintos. Até agora o STF disse que o presidente da Câmara receber dinheiro de uma empresa que concorre a uma licitação no mesmo órgão é crime.
Isso significa que, se um deputado recebe dinheiro de outro partido, ele necessariamente está vendendo seu voto? João Paulo se defendeu dizendo que tinha recebido o dinheiro de seu partido. O Supremo não acreditou nessa história e disse que o dinheiro era de Marcos Valério.
E os próximos réus que receberam por ordem do Delúbio? Isso será suficiente para livrá-los de condenações?
O Supremo também já fez condenações por lavagem de dinheiro. Então todos os acusados por lavagem já estão condenados? Não. No mais apertado placar do julgamento até agora, o STF disse que João Paulo lavou dinheiro porque mentiu sobre a origem criminosa do dinheiro.
O que se julgará agora é completamente distinto. Empréstimos bancários feitos antes dos supostos crimes terem ocorrido podem configurar lavagem de dinheiro?
Querer fazer previsões sobre o que acontecerá nos próximos dias é imaginar que o STF está condenando a priori os réus. Não é o que aconteceu até agora. Debates consistentes, em cima de fatos, dominaram as sessões. Inclusive com a preocupação de alguns ministros em votar de forma que a sociedade possa entender. Os ministros Joaquim Barbosa e Luiz Fux até disponibilizaram parte de seus votos na internet.
Os próximos dias nos reservarão ainda condenações e absolvições. Não porque o STF já tenha decidido, mas porque o tribunal mostrou sua capacidade de analisar fática e juridicamente cada uma das acusações feitas aos réus. E de explicá-las claramente à sociedade. Não há porque imaginar que seja diferente nas próximas semanas. Felizmente.