Rubem Azevedo Lima 
Correio Braziliense - 20/08/2012  
As poucas alegrias das Olimpíadas, para o Brasil, coincidiram com a sucessão de escândalos dos mensalões, nos quais o Supremo Tribunal Federal julga os que deles participaram. Inclusive, oculto que estava, surgiu o ex-presidente Lula, acusado de chefiar os mensaleiros, pelo defensor de Roberto Jefferson, o advogado Correa Barbosa.
Sobre isso, permitam-me revelar: após Jefferson denunciar o mensalão, em 2003, um advogado amigo meu disse-lhe estranhar que ele inocentasse Lula.
Jefferson, então, arrependeu-se desse gesto. Antes de explodir esse escândalo, os dirigentes do PT eram tidos como grandes protetores da moralidade política no país. Muitos eram e são.
Agora, o senador Aécio Neves, do PSDB de Minas, na Folha de S.Paulo, dia 13 último, mergulhou na lama de mentiras do PT, contra o patrimônio da Petrobras, bandeira de nossa vitória sobre o neoliberalismo, apesar dos contratos petistas feitos com empresas internacionais.
Aécio chamou a velha Petrobras de PTBras, dada a invasão de petistas em seus quadros. Antes disso, nunca houvera rombos financeiros naquela empresa.
Por não cumprir a meta da Petrobras, revela o senador, ela perdeu receita de R$ 50 bilhões, desde 2003, começo do governo Lula. A empresa teve também prejuízos, ao importar gasolina e diesel nesse mesmo ano, que somaram R$ 2,9 bilhões, 239% acima do valor superior ao do mesmo período de 2011 (R$ 648 milhões).
Nas incongruências ocorridas — no dizer de Aécio —, os preços artificialmente baixos da gasolina inviabilizaram nosso etanol e as importações de gasolina subiram 370%, em relação ao período de 2011. As refinarias Premium I e II, no Maranhão e no Ceará, previstas para 2013 e 2015, foram adiadas para 2017. Aécio lembra a refinaria Abreu e Lima (Pernambuco), com a Venezuela, que nada pagou dos US$ 2,3 bilhões previstos, agora estimados em US$ 20,1 bilhões. Aécio finaliza, dramático: "Desafio é acabar com a PTbras e trazer os brasileiros de volta à Petrobras". Teriam os espertos criado o mensalão do petróleo?
 

Comments powered by CComment