Só pode ser por medo do resultadao do jogo !
  Claro, culpa no cartório!!!
  Se não tivessem cometido faltas graves, não
  não temeriam a expulsão e muito menos as
  vaias da torcida, ou melhor do eleitor...
 Advogados ligados ao PT pedem adiamento 
Por Diego Abreu e leandro Kleber 
Correio Braziliense - 26/07/2012
Partido nega autoria da petição enviada ontem ao TSE por militantes, que consideram inoportuna a análise do processo pelo Supremo durante a campanha eleitoral
Um grupo de seis advogados de São Paulo entrou com uma petição ontem no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na qual fazem um apelo à presidente da Corte, Cármen Lúcia, para que ela interceda junto aos colegas do Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo a inconveniência de julgar o mensalão no período pré-eleitoral.
Texto completo
No texto, os advogados dizem que a apreciação do processo no período de campanhas partidárias é "inoportuna". "Queremos evitar duas coisas: a politização judicial e a judicialização política. Temos receio que questões técnicas sejam julgadas politicamente e que questões políticas sejam judicializadas com interesse eleitorais", afirma Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do setorial jurídico do diretório do PT em São Paulo.
Ele e mais dois advogados que assinam a petição, Gabriela Soares de Araújo, especialista em direito eleitoral, e Cesar Pimentel, coordenador jurídico do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, são filiados ao PT. Apesar da ligação com a sigla, tanto o diretório nacional do partido quanto o regional em São Paulo dizem que o ato não tem nenhuma relação com a sigla e que o tema nunca esteve em pauta. Os outros três advogados, Fábio Gaspar, especialista direito do trabalho, Marcelo Figueiredo, diretor da PUC em São Paulo, e Ernesto Tzirulnik, especializado na área de seguros, não são membros do partido.
"Não há como negar que simples cogitações acerca do julgamento já ocasionaram inúmeras e severas turbulências, amplificadas em grau máximo pelos meios de comunicação e atores políticos", destaca a petição. No documento, os seis citam que a transmissão do julgamento pela TV Justiça, com a consequente repercussão "à exaustão" pela mídia, causará desequilíbrio nas eleições municipais. "Como garantir que esse desequilíbrio iminente não descambe para sucessivas reclamações contra a cobertura que será efetivada pelos meios de comunicação, em eleições nos mais de 5.500 municípios pátrios?", questionam os advogados.
Embora tenham pedido que Cármen Lúcia leve aos ministros do Supremo a preocupação apresentada ao TSE, os autores da petição não pedem em momento algum que a Corte Eleitoral monitore ou puna o possível uso das imagens do julgamento do mensalão na propaganda eleitoral gratuita. "A tese do mensalão será derrubada. O que será apurado é a conduta indevida de cunho eleitoral. Acredito na maturidade do Supremo para julgar o caso", afirma Marco Aurélio de Carvalho.
A possibilidade de a petição alterar os rumos do mensalão é praticamente nula, pois em reuniões administrativas ocorridas em junho, os próprios ministros da Suprema Corte levaram em consideração o fato de que o julgamento será realizado simultaneamente ao pleito municipal.
Filho de Erenice
suspeito de sonegar
A Polícia Federal identificou indícios de sonegação fiscal e de lavagem de dinheiro na contabilidade da empresa Capital Consultoria de Israel Guerra, filho da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra. As informações foram enviadas ao Ministério Público. Os policiais descobriram os indícios ao investigar tráfico de influência na Casa Civil durante a gestão de Erenice, no final do governo Lula. O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, decidiu pelo arquivamento das investigações contra Erenice, mas registrou, em sua decisão, "movimentações financeiras consideradas incompatíveis com os rendimentos declarados à Receita Federal" nas contas da Capital.
 
 

Comments powered by CComment