Cel Av Gustavo Borges
 Carta enviada ao O GLOBO

            A entrevista de Carlos Eugênio Paz para o jornalista Geneton Moraes Neto, em “O GLOBO” publicado em 02/07/12 foi excelente. O terrorista “Clemente” (Carlos Eugênio Paz) confessou muitas coisas que já sabíamos, mas pouca gente acreditava.
            Inicialmente ele justifica suas ações criminosas alegando sua necessidade de idealista (19 anos) de derrubar a ditadura dos generais, a qual havia afastado Jango Goulart e rasgado a Constituição.
Entretanto, “Clemente” esquece que estava em curso uma notória conspiração de Jango junto com Luís Carlos Prestes para, aí sim, derrubar a Constituição e implantar uma “ditadura do proletariado”. Portanto, a dupla pretendia repetir as barbaridades cometidas em 1935, quando mataram 32 militares na calada da noite. Os comunistas renderam-se covardemente, foram presos, porém nenhum foi sequer ferido e toda a ação foi financiada por Moscou (Stalin) ao preço de US$ 27.341,00. Agravante: tudo foi planejado e comandado por uma equipe de 09 estrangeiros enviados por Moscou, pois os soviéticos já conheciam Luís Carlos Prestes, sua burrice e incompetência.
“Clemente” acreditou em fanáticos, como Marighella, cujo objetivo, longe de defender a democracia, pretendia assumir o poder e dele se beneficiar financeiramente, como hoje fazem os terroristas dos “anos de chumbo”, atualmente teúdos e manteúdos pelas indenizações e doações concedidas, às nossas custas, pelo ínclito Lula.
            O fanatismo ideológico, baseado na utopia de Karl Marx, atingia paroxismos de crueldade e traição quando matou o civil Boilensen, vários oficiais do Exército e até um companheiro da ALN (Márcio Leite de Toledo).
            “Clemente” confessa ainda que os principais treinamentos eram conduzidos em Cuba, esta também encarregada de conduzir os US$ entre Moscou e o Brasil, manobra confirmada em livro do Jacob Gorender e por entrevista de Brizola a Jô Soares (tenho gravação desta).
            Curiosamente, quando fugiu do Brasil, sem nunca ter sido preso, “Clemente” foi morar em Paris (8 anos). Por que não foi para o paraíso socialista cubano ou moscovita?
            Estive em Moscou e Leningrado pós-Guerra Fria e pude constatar o baixíssimo padrão de vida dos soviéticos naquelas cidades, o que explica o “Clemente” lá não aparecer. Em Paris, provavelmente frequentava o Moulin Rouge e comia filet mignon com trufas.
            Fui Secretário de Segurança do Estado da Guanabara, de 1963 a 1965, e através de escutas telefônicas pude constatar que Jango e Prestes tramavam implantar uma ditadura no país, dando plenos poderes a Jango. “Clemente” estava equivocado em  acreditar que os militares “rasgaram” a Constituição, e sim, evitaram que Prestes e seu novo aliado implantassem o comunismo no Brasil.
Cordialmente,--
Gustavo Eugênio de Oliveira Borges
 
Comentários  
#2 victor hugo 30-07-2019 20:32
Então ele confessa que fazia escutas telefônicas ilegais em cima do presidente da república, e eles quem rasgaram a constituição? Ele era o hacker?
#1 Rubens Caixator Jr. 04-03-2014 18:55
Alguns questionamentos:
1) Será que esse assassino faz parte do rol de guerrilheiros beneficiados por indenização dos "torturados"?
2) Será que a morte desse justiçado foi pra conta do DOI de SP?
3) Quais serão as providências da comissão da verdade?
Adicionar comentário