Imprimir
Categoria: Comissão da Verdade
Acessos: 4606
El cóndor pása...
Félix Maier - 05/07/2012
A Operação Condor foi uma operação conjunta de governos de países sul-americanos para fazer face aos movimentos terroristas-marxistas do final da década de 1960 e início da década de 1970, desencadeados a partir da Revolução Cultural (China) e da OLAS (Cuba). Há livros que tratam do assunto, como Operação Condor - terrorismo en el Cone Sur, do jornalista Nilson Cezar Mariano, e Social Justice, publicado em 1999, da pesquisadora Patrice McSherry, professora de Ciências Políticas da Universidade de Long Island, EUA, em que há um artigo sobre a Operação Condor
Texto completo
“Foi comprovada, em 1992, através de documentos da polícia secreta do Paraguai, a existência de uma ação de Estado implantada em todo o cone Sul. Na verdade, a Operação Condor foi um acordo costurado por todos os países da região com o intento de facilitar a cooperação regional na repressão aos opositores dos regimes militares que então governavam o Brasil, a Argentina, o Chile e a Bolívia. Teoricamente esses opositores dos regimes militares faziam parte de grupos guerrilheiros com ideologia socialista nos moldes da filosofia radical maoísta e stalinista. Eram apoiados por Cuba de Fidel Castro e indiretamente pelos governos socialistas da antiga União Soviética e da República Popular da China, que desejavam expandir o modelo socialista para todos os países da América Latina. Além do apoio tático e estratégico fornecido pelo governo de Cuba, esses grupos buscavam os recursos financeiros através de ações criminosas, como roubos a bancos e sequestros” (http://pt.wikipedia.org/wiki/Opera%C3%A7%C3%A3o_Condor). 
Essa Operação não foi um acordo multilateral terrorista de governos latino-americanos, como propaga a esquerda, mas, sim, um acordo legítimo de defesa conjunta de países contra movimentos terroristas, patrocinados por países totalitários comunistas (URSS, China, Cuba), que queriam implantar, não a democracia, porém a ditadura do proletariado em todo o continente. A Operação Condor foi tão legítima como hoje é a Interpol e os acordos bilaterais de segurança entre países, para enfrentar em conjunto o terrorismo e o crime transnacional. “Se a orientação e o apoio dessas operações vinham de fora - vinham da Rússia e da China, via Cuba ou Uruguai - enfim, eram um movimento internacional integrado, o que há de estranho no fato de o Cone Sul se reunir para colocar um ‘basta’ a isso, com troca de informações, já que todos eram atingidos?” (Gen Ex Leônidas Pires Gonçalves - História Oral do Exército/1964, Tomo 1, pg. 92).  
No Brasil, se as Forças de Segurança não tivessem desbaratado a Guerrilha do Araguaia, ainda hoje poderíamos estar vivendo uma guerra civil, a exemplo da Colômbia. Nesse caso, o Governo Federal poderia estar hoje negociando, p. ex., com José “Tirofijo” Genoino, a entrega de uma extensa região do Araguaia aos guerrilheiros das FARB, para “conversações de paz”, como ocorreu na Colômbia das FARC durante o Governo de Andrés Pastrana. O Sendero Luminoso e o Tupac Amaru (Peru), atualmente sob certo controle, e as FARC e ELN (Colômbia) são os “filhotes” mais duradouros da OLAS de Fidel Castro, que prometeu “criar um Vietnã” em cada país sul-americano.  
Nos dias 4 e 5 de julho, os esquerdistas da América Latina promoveram um seminário sobre a Operação Condor na Câmara dos Deputados, em Brasília, coordenado pela deputada Luiza "La Pasionaria" Erundina, presidente da Comissão Parlamentar Memória, Verdade e Justiça. A Pasionaria original era o apelido de Dolores Ibarruri, líder comunista espanhola, que "teria cortado a garganta de um padre com os próprios dentes" durante a Guerra Civil Espanhola (*). A Pasionaria tupiniquim quer por que quer mudar a Lei da Anistia, de modo que apenas os agentes de Estado que combateram os terroristas sejam processados e presos. Assim, esse Seminário tem como objetivo único, não a apuração da verdade, mas a continuação da campanha nefasta de diabolização das Forças Armadas latino-americanas, ao mesmo tempo em que a petralhada internacional tentará canonizar mais alguns terroristas, sequestradores, assaltantes de bancos e assassinos ainda não relacionados em seu Panteão da Memória e da Verdade. 
O jornalista Vannildo Mendes, em texto publicado no Estadão em 5/7/12, abordando a Operação Condor, voltou a repetir a mentira de que a Argentina teve 30.000 desaparecidos durante o governo militar. El Monumento a la Memória, construído em Buenos Aires, tem 5 paredes com 30.000 placas, que deveriam lembrar os desaparecidos argentinos durante o governo militar anticomunista. Porém, apenas 8.718 placas têm identificação, ou seja, há 21.282 placas em branco, sem nomes - uma mentira inflada quase 4 vezes. Os esquerdistas argentinos conseguiram ser ainda mais embusteiros que seus kamaradas brasileiros, ao criar a figura do desaparecido sem nome. Essa vergonhosa mentira vem sendo repetida há décadas e hoje todo mundo acredita que realmente houve 30.000 desaparecidos na Argentina, número assim redondinho, sem uma placa a mais ou a menos. Vannildo deveria mudar seu nome para “Mentes”. 
Cínicos, esses esquerdistas! Falam mal da Operação Condor, logo eles, que ontem se uniram ao PC cubano e à KGB, criaram a OLAS e dezenas de grupos terroristas para infernizar a América Latina, e hoje estão à frente de movimentos que ainda sonham em implantar o comunismo na região, como a ALBA, o Foro de São Paulo e o Fórum Social Mundial. El cóndor pása... toca a flauta indígena do Peru. E os urubus socialistas apertam o nariz, denunciando o mau cheiro que eles mesmos provocaram.
Nota:
(*) JOHNSON, Paul. Tempos Modernos - O mundo dos anos 20 aos 80 (pg. 272). Biblioteca do Exército e Instituto Liberal, Rio de Janeiro, 1994 (Tradução de Gilda de Brito Mac-Dowell e Sérgio Maranhão da Matta).
Observação do site www.averdadesufocada.com
Membros de organizações terroristas que fizeram, curso em Cuba  - Parte 1 - Leia AQUi 
                                                                                                             Parte 2 - Leia AQUI
                                                                                                             Parte 3 - Leia AQUI