Cel Lício Augusto Maciel - ferido com
 um tiro à queima roupa no rosto 
 As marcas são visíveis . Veja aqui e
aqui o seu depoimento sobre o epi-
sódio. Veja  aqui a íntegra de seu 
discurso na Sessão Solene na Câmara
dos Deputados  em homenagem aos 
militares mortos na Guerrilha do
Araguaia.
Leitura recomendada : Guerrilha do
Araguaia - Relato de um Combatente
Autor-Lício Maciel 

Com dez anos de pesquisa e acesso aos arquivos de Sebastião Curió, repórter do "Estado" conta em livro a agonia dos combatentes do Araguaia
Gabriel Manzano
O Estado de S.Paulo - 10/06/2012 
Para o soldado Cid, foi um ato banal. "Pisei em seu braço, impedindo que levantasse a arma, e perguntei: "Qual o seu nome?" Com ar de deboche e ódio, respondeu aos gritos: "Guerrilheira não tem nome". Eu e João Pedro a metralhamos."
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Observação do site www.averdadesufocada.com :
Será que o repórter conta no livro  em que situação aconteceu a morte da guerrilheira?
Será que fala da emboscada preparada por ela e mais alguns guerrilheiros, contra uma patrulha do Exército, chefiada pelo Major Lício?
Texto completo
Será que no livro conta que o Major Lício ao tentar levantá-la, sem notar que ela havia recuperado a arma, enquanto eles seguiam os outros guerrilheiros, foi atingido no rosto por um tiro, disparado por ela, à queima roupa? 
Será que toda a patrulha teria que ser dizimada para que a guerrilheira fosse salva?
 xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Assim morreu, em 24 de outubro de 1974, numa obscura grota na selva, ao norte de Goiás, a militante do PC do B Lúcia Maria de Souza, ou Sônia, capturada pelo grupo do major Sebastião Curió - o homem que o regime militar havia encarregado de liquidar sumariamente a Guerrilha do Araguaia.
Sônia, Raul, Osvaldão, Arildo, Grabois, Áurea, Queixada, as duas Dinas... Os momentos finais de todos eles foram semelhantes. O registro de tudo, pelo próprio major, ficou por mais de 30 anos no fundo de uma mala vermelha guardada em um porão. Pelas mãos do jornalista Leonencio Nossa, repórter especial da Agência Estado em Brasília, esse precioso pacote de memórias está virando livro. Editado pela Companhia das Letras, Mata! - O Major Curió e as Guerrilhas no Araguaia chega terça-feira às livrarias e deixa mais rica a bibliografia da recente história do Brasil. Em 512 páginas, que incluem um caderno central com fotos cuidadosamente guardadas por Curió, vêm à luz as caminhadas finais, pela selva, da Operação Marajoara - a ação militar que entre 1972 e 1975 acabou com a brevíssima aventura da luta armada do PC do B no fundão de Goiás.
A tarefa exigiu paciência, determinação, talento. Leonencio rodeou o assunto e o major durante longos anos. Vasculhou 32 pastas, um pacote de mapas, seis álbuns de fotos e muitos papéis soltos que o xerifão das selvas, hoje tenente-coronel reformado, guardava para escrever, ele próprio, o seu livro - cujo título seria A Selva do Araguaia.
"Meu desejo é que a narrativa agrade. É importante que isso seja conhecido, esclarecido", afirma o autor, que antecipou no Estado boa parte desse material em uma série de reportagens em junho de 2009.
Cor local. Fato marcante dos anos 70, a aventura armada no Araguaia tem sido objeto de muitos outros autores, mas o que surpreende em Mata! é o testemunho direto dos episódios - o que só as memórias de Curió tornariam possível. Breves capítulos vão despejando, aos poucos, a cansativa caminhada, as conversas, o dia, a hora, o lugar, o ataque, o grito, a fuga, o tiro. O cerco e a liquidação dos inimigos, já exaustos e sem recursos. O resultado, para a história, é uma correção atrás da outra de muitos relatórios - falsos - que o regime divulgou sobre quem morreu, onde e como. Não há grandes surpresas sobre o destino dos corpos.
Mas sabe-se, por exemplo, que foram 41 e não 25 os fugitivos que, já detidos, foram executados quando não ofereciam mais risco. Que Paulo Roberto Marques, o Amauri, não morreu no cerco à cúpula da guerrilha no Natal de 1973, mas fugiu e dias depois se entregou. "Entrou num helicóptero com as mãos amarradas. Foi fuzilado perto do Rio Saranzal", anunciam os papéis de Curió. Que Dinalva Oliveira Teixeira, a Dina, não caiu em combate, mas morreu na cadeia de Marabá em 26 de junho de 1974.
Serra Pelada. Na segunda metade do livro vem à tona outra grande aventura de Curió: os seus turbulentos anos no comando de Serra Pelada. Uma saga de garimpeiros esfarrapados e prostitutas valentonas, gente que ele defendia e manipulava numa área maior que Inglaterra, Irlanda e Gales juntos.
Passados 38 anos da aventura, o tenente-coronel aposentado confessa ao repórter sua nostalgia. "Em Serra Pelada eram dois objetivos: extrair o ouro para encher o cofre do Banco Central e continuar o trabalho político. Não via o tempo passar. Hoje qual é meu rumo? Para onde eu vou? Araguaia foi uma guerra, nunca esqueça." E bate na sua tecla preferida: "Se não houvesse determinação e pulso forte na erradicação da guerrilha, teríamos até hoje um movimento semelhante às Farc."
Adicionar comentário