A agressão revoltante ao Ten Cel Av Juarez
  de Deus Gomes da Silva - Ternuma -Rio -, 
  e o Ten Brig Ar Carlos de Almeida Baptista
 
Ten Brig Ar Carlos de Almeida Baptista
                                 Talvez cusparada na liberdade  seja  um título mais adequado, já que  regimes totalitários, autoritários,  socialistas,  esquerdistas,  comunistas,  capitalistas, todos  se dizem democráticos.
Está é a primeira vez que  revelarei, com mais profundidade, a  minha profunda repulsa contra a hidra vermelha que ampliou seus  tentáculos sobre o mundo livre, finda a 2ª Guerra Mundial, à custa de milhões  de mortos e escravizados, falindo  fragorosamente a partir da falência da  sua “sede de origem”.
Texto completo
A forma como tentaram submeter nosso  País, em 1935, foi idêntica à dos  países já então  dominados. Traições, filhos delatando pais ou estes entregando filhos, violências contra  os que ousavam  dissentir, o canto da sereia para atrair lideranças penalizadas pela falta  do pão na mesa dos pobres. O cinismo com que  denominam sua ideologia  e suas ações de “democratas”, apesar dos arquipélagos gulag , dos confinamentos e das execuções sumárias!
Eu não estava no Brasil no dia 31 de março de 1964. Encontrava-me  servindo no 4º Contingente  das Nações Unidas no Congo, voando C47 em  apoio às tropas de superfície. Cheguei em janeiro de 1963, regressei em junho de 1964.
Em 1961 e 1962, de repente afastado da instrução na aviação de caça, no 1º/4º GAv, Fortaleza, por  motivo de doença que julgaram melhor ser  tratada no Rio de Janeiro, vi-me classificado na Base Aérea do Galeão, depois no 1º Grupo de  Transporte.  Rapidamente restabelecido voei, nesses dois anos, perto de 1600 horas em aeronaves  C47, levando,  nas asas do  Correio Aéreo Nacional  assistência médica, material e até mesmo espiritual, a regiões e populações tão distantes da civilização e tão esquecidas das  autoridades governamentais. Engraçado lembrar que nunca vi miséria, apenas pobreza e coragem para superar tantas dificuldades.
Após a tragicômica renúncia do “homem da vassoura” pude perceber a sanha das minorias vermelhas na tentativa de  re-editar 1935. Com o apoio de muitos que se  encontravam, então, no Poder,  iniciaram o  desmonte do  edifício para, como sempre,  surgirem dos  escombros como alternativa para a felicidade geral, num governo do povo e para o povo.
Fui tendo contato com os que, sutilmente, estavam escalados como  endoutrinadores, passo a  passo  revelando-se  como de grande  influência na  transição para um novo mundo, com muitos  inocentes  úteis atraídos pela  promessa do  pão para todos, e dos  aproveitadores, mais conhecidos como “em cima do muro”,  prontos a cair nos braços do lado vencedor.
No Congo, testemunhei a ação desenvolvida pelos  comunistas para captar o apoio daquela gente tão  pobre,  recentemente libertadas da escravidão dos  colonizadores. Ali estava o prato ideal para a ampliação da hidra.
Comecei a acompanhar, então, as notícias do Brasil referentes ao progresso da  “esculhambação”, com perdão da má palavra,  provocada pelos sindicatos, pelas  ligas  camponesas e, afinal, pela tentativa de  desestabilizar o braço armado da nação, com as quebras da hierarquia e da  disciplina.      
Chegado o primeiro trimestre de 1964, com  ele chegavam jornais e notícias, por cartas, pelo rádio-amador ou pelas rádios. Confortava-me o início da reação da população  e das elites, bem como do clero, clamando pela  intervenção militar. Na hora pensei que o sentimento legalista dos militares pudesse contribuir para o  consentimento da implantação da ditadura do  proletariado.
Comecei a planejar  o não regresso ao Brasil, pensando nas minhas raízes  em Portugal,  retirando, depois, meus familiares do inferno que  seria implantado neste País.
No dia 31 de março participei de uma missão para Elizabethville, compondo tripulação com o Comandante do Esquadrão que não se mostrava minimamente preocupado com a  deterioração tupiniquim. Estávamos os dois  desfrutando da piscina do hotel onde  pernoitaríamos  quando por volta das 12 horas alguém o chamou ao telefone. Não tendo regressado dirigi-me ao  seu apartamento,  encontrando-o completamente prostrado. Disse-me que  recebera uma ligação do Brasil comunicando que houvera uma revolução e que ele não retornaria à Pátria. Regressaríamos à Base e ele passaria o comando ao seu Oficial de Operações, após o que,  desapareceria no mundo.
Foi a forma como tomei conhecimento da virada que acontecera graças  à  sociedade que  determinara aos militares a retomada da  normalidade democrática do País.
Volto agora aos acontecimentos deste dia 29/03/2012, em que cerca de 300 idosos que  se orgulham do contragolpe ocorrido em 1964 assistiam a um painel em que se promovia a  análise do que ocorrera naquele passado que  teima em ficar próximo. Em baixo, os  agitadores clamavam, aos gritos, contra os pacíficos, ordeiros e orgulhosos militares e civis que  reverenciavam o momento em que  ajudaram a evitar uma  cubanização do  nosso País.
Ao final, estávamos sitiados dentro da  “Casa da República”, orientados pela força de segurança a não sairmos do prédio. Eu pensei, de imediato, na possibilidade de  que um dos mais idosos e mais debilitados resolvesse  enfrentar a  turba. Particularmente pensei no Brig Camarinha, meu ex-chefe e dileto amigo, e resolvi enfrentá-los, antes que um deles,  mais  debilitado que eu o fizesse. . Junto com meu  “irmão” Juarez saímos  à rua, e enfrentamos  a  manifestação programada como pacífica, coisa que os  comunistas não conseguem realizar. Xingamentos variados partiram da “matilha", pois nunca atuam sozinhos. Um deles, percebendo que eu ia falar alguma coisa desafiou: “fala, fala alguma coisa, seu nazista!”
Controlando-me, disse-lhe apenas: “Você é muito burro para entender o que eu iria falar, além de covarde”.
A partir daí fomos andando até chegar ao metrô,  perseguidos pela alcatéia e protegidos por um policial militar que, coitado, tentava proteger os dois velhinhos que  ousaram  usar do seu direito de ir e vir e da livre  manifestação de pensamento.
Foi terrível receber a cusparada que  é  vista na foto. Podem perceber que têm todas  as características de drogados, com olhos esbugalhados e  falha de raciocínio. Aí  pensei,  se eu estivesse  armado? Cheguei a  pensar nisso, antes de ir à reunião. A justiça julgaria uma reação desproporcional um tiro dado por alguém que dedicou  mais de 50 anos a serviço da pátria contra um imbecil vermelho que  ousara cuspir no seu rosto?
Sei não, mas isso vai acabar acontecendo. Na próxima vez, vão invadir  a  “Casa da República”. São insanos e, com certeza, regiamente pagos para isso. Alguém vai  se oferecer para ser o  cadáver fabricado, como ocorreu com o  Edson Luis, bem lá atrás, na manifestação estudantil do Calabouço.
Ao tempo em que caminhamos, por cerca de 100 metros, à procura  de um taxi,  alvo de agressões morais e de  objetos contra nós lançados, pensava: “ Que País infeliz. Esta data deveria ser comemorada em  todos os cantos do país, especialmente nas ruas desta cidade que naquele tempo  correu sério risco de deixar de ser maravilhosa”.
Para escapar da  sanha daqueles infelizes acabamos entrando no metrô, deixando-os do lado de fora, graças a uma feliz  orientação do policial militar que nos tentava proteger.
À noite, em casa, confortado pela família e pelos telefonemas de solidariedade tive que “engolir” a  publicidade dos  comunistas pela televisão,  agitando idênticas bandeiras vermelhas e  apresentando-se,  da mesma forma que lá atrás, antes da   derrocada  mundial de seus governos, como os  arautos de uma nova era cheia de utópicas promessas de felicidade geral.
Estou certo de que os militares jamais se apresentarão para salvar o Brasil, como exigido em 1964, mas creio que esses  lunáticos não  conseguirão, jamais, transformar  este paraíso  numa nova Cuba,  Albânia, . . . . . No mínimo, enfrentarão as  bengaladas  dos que tentaram ultrajar  neste  repugnante  episódio da tarde de  29 de março último.
Quem viver, verá! 

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar