Jornalista Carlos Chagas
SEM ANISTIA ELA NÃO TERIA SIDO PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Por Carlos Chagas - Tribuna da Imprensa - 14/02/2012
Com todo o respeito, mas a presidente Dilma escorregou outra vez. Acaba de declarar-se estarrecida, no que tem razão diante dos excessos da greve dos policiais militares baianos. Mas perde a própria, ou seja,  a razão, ao dizer que jamais defenderá a anistia para quem comete crimes.
É claro que constituem práticas execráveis a    queima de  ônibus escolares, a invasão de    ônibus usando capuzes, a interrupção do tráfego em rodovias, assim como atentados contra o patrimônio público e privado e contra a ordem institucional, inclusive a invasão do prédio de uma Assembléia Legislativa.No entanto, a anistia surge como uma das maiores conquistas do Direito. Sem ela, a Humanidade talvez já tivesse explodido.
Já se imaginou como seria o Brasil se o presidente João Figueiredo  não tivesse proposto e o Congresso, votado a 28 de agosto de 1979,   a lei 6.683 que abriu as portas para o restabelecimento da democracia?
Dilma Rousseff foi anistiada, como milhares de cidadãos que conforme a lei também cometeram crimes. Mesmo levados pelas melhores inspirações, quantos brasileiros assaltaram bancos, no caso patrimônio privado, encapuzados ou mostrando a cara? Não atentaram contra o patrimônio público ao invadirem  quartéis? Quantos dedicaram-se à guerrilha urbana e rural, ou  planejaram quebrar a ordem institucional,  mesmo aquela desordem  plena de posturas  abomináveis, imposta pela ditadura?  As motivações  podem ter sido celestiais, ainda que até hoje existam controvérsias, mas crime é crime.
Banir a anistia do relacionamento humano, mais do que afastá-la do Legislativo e dos tribunais,   desperta um risco do diabos para o desenvolvimento dos regimes democráticos.

Comments powered by CComment