Um presidente corajoso, na política honesto,
 seria o ideal para o Brasil.
Os primeiros 4 capítulos poderão ser
acessados pelo endereço no youtube

http://www.youtube.com/watch?v=bedOWSg8fco
Este é o primeiro e à direita da página, está
o acesso aos outros 3.
Opinião - O Brado Retumbante
Plínio Sgarbi  - 21/01/2012
Nos poucos meses de euforia política que antecederam à primeira eleição direta para Presidente da República, na reabertura política depois de décadas de jejum, a novela "Que rei sou eu" foi levada ao ar no ano de 1989. Quatro anos após a volta dos Militares aos quartéis, a TV-Globo mostrava a formação de uma realidade Brasil num fictício reino de Avilan. Passados 27 anos, a mesma TV-Globo exibe a minissérie O Brado Retumbante mostrando como se transformou o Brasil Real dos Militantes no Poder.
Texto completo
A máxima televisiva “esta é uma obra de ficção e qualquer semelhança com nomes, fatos ou acontecimentos terá sido mera coincidência”, em  O Brado Retumbante, o autor Euclydes Marinho, incomodado com a onipresente corrupção do país, escreveu uma história sobre um presidente da República íntegro, honesto e mulherengo.
Escancarou tanto uma realidade, com personagens tão parecidos com os da vida real, em aparência ou atitudes, como os políticos e jornalistas que cercam o presidente protagonista. É impossível ficar imune a tantas referências com a realidade, mesmo quando disfarçada de um “Brasil fictício”, ao que a atração se propõe, em que, por exemplo, a sede do governo foi transferida de Brasília de volta para o Rio de Janeiro. Creio que o grupo de políticos honestos determinados a acabar com os corruptos e com a corrupção, seja sim, este, o fictício na minissérie. (...)
(...)O que poderia ser um simulacro do Brasil, a produção de oito capítulos mostra a trajetória do personagem, (o advogado e deputado Paulo Ventura, filho de uma mãe neurótica e com um tio trambiqueiro) como deputado até o momento em que um grupo de velhas raposas da política articula para que ele se torne presidente da Câmara para ser uma espécie de fantoche do sistema.
O que ele não esperavam é que pouco depois, o presidente da república e seu vice sofreriam um acidente de helicóptero e fossem dados como desaparecidos antes que o mandato de tais fosse concluído. É então que Paulo Ventura passa automaticamente para o cargo de presidente. Paulo Ventura tem uma personalidade bastante interessante que ora o traceja como um tremendo mulherengo, e ao mesmo tempo um político honesto e ético, querendo limpar Brasília de pessoas desonestas. 
Enquanto alcança altos índices de aprovação popular com a sua postura, ele incomoda políticos a ponto de se tornar alvo de atentados. O principal inimigo é o Ministro da Justiça que na juventude, eram advogados idealistas dispostos a mudar o mundo. Hoje o vaidoso Floriano almeja a Presidência. 
O Brado Retumbante, têm a política como veia dorsal, ou seja, enfatizam ações que envolvem autoridades e permitirá que o público acompanhe os bastidores da política e assim entenda como funcionam os mecanismos de chegada ao poder. Dessa forma, a proposta da minissérie é revalorizar o exercício da política no Brasil. Para tanto, o personagem terá a tarefa de convencer o público de que é possível acreditar na existência de políticos como Paulo Ventura, oferecendo um novo olhar sobre a maneira de fazer política no Brasil a partir de fragmentos do mundo real.
E, qualquer semelhança com a realidade de hoje terá sido mera coincidência?
Fonte:
http://gracanopaisdasmaravilhas.blogspot.com/2012/01/opiniao-brado-retumbante.html

Comments powered by CComment