Justiça extingue processo que responsabilizava quatro agentes do Estado de abusos cometidos durante a ditadura.
Uma das vítimas é a presidente Dilma. Ministério Público recorrerá da decisão
Alana Rizzo
Correio Braziliense
Decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região extinguiu o processo que cobrava a responsabilização civil de supostos torturadores da Operação Bandeirante (Oban) durante o regime militar.
O tenente-coronel Maurício Lopes Lima, acusado de torturar a presidente Dilma Rousseff, figurava entre os réus da ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF). Em seu voto, o juiz federal Santoro Facchini reconheceu a prescrição dos possíveis crimes e encerrou o processo. O magistrado foi seguido pelos demais juízes da Sexta Turma. A Procuradoria Regional da República em São Paulo vai recorrer da decisão.
Para Facchini, a imprescritibilidade dos crimes deve ser analisada sob o enfoque da legislação brasileira, e não por tratados internacionais. "Decisões estrangeiras não podem ser aplicadas no Brasil, por afronta ao princípio da legalidade. O Brasil não subscreveu a convenção sobre a imprescritibilidade dos crimes de guerra e dos crimes contra a humanidade de 1968, e somente reconheceu a autoridade da Corte Interamericana em 2002." A questão colocada no processo, segundo ele, é se a incorporação do tratado no ordenamento nacional também abrangia crimes praticados antes da sua vigência e da promulgação da atual Constituição Federal, de 1988.
Santoro Facchini afirma ainda que os fatos narrados nos autos "não indicam a ocorrência de tortura, como fato ocasional ou delimitado, mas, ao revés, revelam a sua prática, sistematizada e institucionalizada, contra parte da população, composta por opositores do governo militar instalado em 1964".
O MPF considera a tortura crime contra a humanidade, imprescritível, tanto no campo cível como no penal. Destaca ainda na ação diversos tratados internacionais e que a validade da Lei da Anistia, reafirmada no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), não inviabiliza medidas de responsabilização civil. O tenente-coronel afirma que ainda não foi notificado da decisão. Em sua defesa, Lima disse que não integrava o destacamento da Operação Bandeirante à época dos fatos relatados.
A ação contra Lopes Lima e mais três militares — Innocencio Beltrão, João Thomaz e Homero Machado — é baseada em depoimentos colhidos por tribunais militares, informações mantidas em arquivos públicos e testemunhos de algumas vítimas. A Procuradoria da República atribui a Maurício torturas praticadas contra 16 militantes políticos. Na ação inicial, é transcrito o relato de Dilma ao projeto Brasil nunca Mais, da Arquidiocese de São Paulo: "Pelos nomes, conhece apenas a testemunha Maurício Lopes Lima, sendo que não pode considerar a testemunha como tal, visto que ele foi um dos torturadores da Oban. Com referência às outras testemunhas, (Dilma) nada tem a alegar. Ainda tem a acrescentar que (...) dois elementos da equipe chefiada pelo capitão Maurício compareceram ao presídio Tiradentes e ameaçaram a interroganda de novas sevícias...", diz um trecho do depoimento.
A Oban foi implementada em São Paulo com a finalidade de reunir em um único destacamento o trabalho de repressão política até então disperso por órgãos militares e policiais, estaduais ou federais durante a ditadura. Funcionou como um projeto piloto à margem das estruturas oficiais, contando com financiamento de empresários. Diante do sucesso da Oban na repressão, o modelo foi difundido pelo interior do país.
                                                xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Três perguntas para Tenente-coronel Maurício Lopes Lima 
1 - A Justiça encerrou o processo no qual o senhor é acusado de tortura. Como o senhor recebeu a notícia?
Ainda não fui informado. Esperava ir a julgamento, porque as acusações são baseadas em mentiras. Tem uma questão temporal: eu não estava lá na época das acusações. Com relação a Dilma, respeito muito a presidente. Ela foi decente, porque me isentou em uma entrevista e disse a verdade, que eu nunca a torturei.
2 - Qual a sua posição sobre a Comissão da Verdade?
Esclarecerá muitas coisas. A não ser que seja uma comissão comunista. Quem torturou não é mais um problema. Os torturadores já estão mortos. Temos que restabelecer a história e o que os comunistas fizeram também. Não é questão de ser independente. A história depende do momento analisado, e estamos vindo de três governos a favor do comunismo. Acho que é mais uma ação revanchista. Não tem no Brasil ninguém preparado para atuar nessa comissão. Tinha que ser historiador, mas eles são todos tendenciosos.
3 - O senhor contribuiria com os trabalhos da comissão?
Acho difícil. Primeiro, tem que ver como vai funcionar. Se forem em cima do Brasil nunca Mais e do Direito à Memória e à Verdade, será mais uma comissão de mentira. Desde o governo Fernando Henrique Cardoso, estão perseguindo a direita. São os antimilitares.

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar