Imprimir
Categoria: Corrupção
Acessos: 2987
  
  É isso aí, Zé, confessa...Chega de tramóia e
  clandestinidade. Todo mundo já sabe   que
  vocês são  capazes  de qualquer indignidade!...
José Dirceu alega inocência e diz que é vítima de "farsa"
Réus que tiveram prisão pedida pelo procurador-geral declaram inocência e afirmam que mensalão não existiu
Jefferson admite caixa 2 e diz que espera mesma punição de Dirceu, que chamou de "irmão siamês" no esquema
Folha de São Paulo 
Chamado de "chefe da quadrilha" do mensalão pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu voltou a declarar inocência e afirmou que o parecer final não trouxe provas.

Texto completo
"São meras ilações extraídas de sua interpretação peculiar sobre minha biografia", disse ele em seu blog. "Ao final desse doloroso processo, se imporá a Justiça e cairá por terra a farsa montada contra mim", completou.
revista ao site do jornal "O Globo", disse esperar julgamento semelhante ao de Dirceu: "Meu advogado já disse: "Você e Dirceu são irmãos siameses. O que der para o Dirceu dá para você". Então, é isso: O que der para ele, dá para mim."
Jefferson disse que Gurgel agiu corretamente em pedir a absolvição de Luiz Gushiken e que há outros inocentes na ação, sem citar nomes.
A defesa de Marcos Valério, apontado como o operador do esquema, vai defender a tese de que o mensalão não existiu. "Foram ouvidas 600 testemunhas e nenhuma confirma a versão da acusação", disse o advogado Marcelo Leonardo.
Em seu blog, o deputado João Paulo Cunha (PT-SP) disse que não há nenhuma prova material ou testemunhal contra ele.
O Banco Rural, acusado pelo Ministério Público de simular empréstimos ao PT para encobrir movimentação de caixa dois, disse em nota que as acusações a seus executivos são equivocadas.
A instituição alega que os empréstimos ocorreram, foram feitos "de acordo com as práticas de mercado e as normas bancárias" e reconhecidos por perícia oficial que consta da ação penal.