Quando vão acabar com a doaçãode cargos
  por troca de apoio...
Saída de Nascimento não exorciza  Valdemar
Denise Rothenburg, Paulo de Tarso Lyra e Débora Álvares - Correio Braziliense - 07/07/2011 

Dilma está diante de um quebra-cabeça. Demitir o ministro foi fácil, Difícil vai ser livrar os Transportes da influência de Valdemar Costa Neto. Um dos 40 acusados no caso do Mensalão, o cacique do PR seria o verdadeiro mentor dos esquemas de corrupção em obras viárias.
Texto completo 
No final ouça a entrevista do professor Marco Antônio Villa na jovem Pan
"Troca a horta , mas o bode é o mesmo..".
O problema é que o governo não pode abrir mão do apoio do PR no Congresso. E Paulo Sérgio Passos, um técnico nomeado ministro interino, e o senador Blairo Maggi (PR-MT), ambos ligados a Valdemar, são os dois nomes mais cotados para assumir a pasta.
Demissão do ministro dos Transportes e nomeação do secretário executivo como interino permite a Dilma ganhar tempo na negociação com a sigla controlada por Costa Neto, envolta em denúncias de corrupção
A presidente Dilma Rousseff trocou o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, nomeou interinamente o secretário executivo Paulo Sérgio Passos, mas não se livrou do fantasma de Valdemar Costa Neto, o secretário-geral do PR e comandante em chefe do partido. Antes mesmo de ser exonerado do cargo, Nascimento e Valdemar já tinham se reconciliado numa reunião ontem, na sede do PR em Brasília, no Liberty Mall. "Os momentos da República se repetem. Já vivemos vários. Isso passa", dizia Valdemar a um entristecido Alfredo. Os dois acertaram que o agora ex-ministro continuará no comando do partido, de seus 40 deputados e seis senadores e do tempo de TV de dois minutos no horário eleitoral gratuito. Assim, do alto do comando do PR, Alfredo espera pressionar Dilma e a base do governo para preservar o mandato de senador.
A nomeação de Passos como ministro interino foi uma saída encontrada pela presidente para ganhar tempo na negociação e mostrar ao PR que não está disposta a ceder às pressões de um partido atolado em escândalos de corrupção e de propina em obras viárias. A bancada tem clara preferência pelo nome do senador Blairo Maggi (PR-MT). Eleito para o primeiro mandato no Senado, Blairo foi duas vezes governador do estado e teve um papel essencial na reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva em 2006. No segundo turno daquela eleição, atuou para reduzir a rejeição que o petista tinha entre os ruralistas. "O PR vai sempre apoiar alguém que tenha mandato, por ter mais força política", disse o deputado Luciano Castro (PR-RR). O partido luta para não ser atropelado pelo Planalto, a exemplo das substituições na Casa Civil e na Secretaria de Relações Institucionais, quando Dilma escolheu Gleisi Hoffmann e Ideli Salvatti, respectivamente, sem consultar a bancada do PT no Congresso.
A presidente demonstrou apreço por Paulo Sérgio no meio da tarde. Enquanto Valdemar e Alfredo selavam as pazes, a presidente se reunia com Passos e a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, para discutir a Transnordestina e outros temas relativos à Valec. Alfredo não havia sequer sido comunicado da reunião. "Sou um ministro desconsiderado. Não posso ficar exposto a essa situação", afirmou. De lá, ele enviou à presidente a carta de demissão.
Inoperância
Dilma aceitou sem titubear. Ela avaliou que o ministro foi inoperante nos últimos dias. Relutou em aceitar a exoneração dos subordinados citados em escândalos. No caso de Luiz Pagot, ex-diretor-geral do Dnit, a Casa Civil teve que divulgar que, tão logo ele voltasse de férias, seria exonerado caso não decidisse pedir a exoneração. Outro foco da insatisfação de Dilma foi a decisão de Alfredo de manter obras e contratos do ministério em vigor enquanto durassem as investigações. Na terça, o ex-ministro teve que divulgar novo comunicado afirmando que tudo estava suspenso por pelo menos 30 dias, tempo previsto para o término do inquérito.
O primeiro sinal de que o prazo de validade de Alfredo no ministério estava vencido foi dado no fim da manhã de ontem. Dilma pediu à ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, que marcasse um almoço com caciques do PR. Ideli ligou para o líder do PR na Câmara, Lincoln Portela (MG), e para Luciano Castro (RR) pedindo um encontro na casa do líder. Ela já chegou dizendo que a presidente gostaria que Alfredo Nascimento antecipasse sua ida ao Senado para hoje. E foi direta: "Quero reafirmar que o ministério é cobiçado pelos partidos da base, mas nunca passou pela cabeça da presidenta tirar a pasta do PR. Sabemos que muitas das denúncias são antigas, mas o fato político está aí e precisa ser resolvido", comentou a ministra. "Dará trabalho mexer em todas as peças. Deixa o ministério com o PR, mas com um nome que agrade mais a presidente", disse ao Correio um aliado da presidente.
Para os deputados, o recado estava dado. Alfredo seria demitido logo depois de comparecer ao Senado. Os dois saíram do almoço e foram encontrar Alfredo na sede do PR, onde estava também Valdemar. Juntos, consideraram que a melhor forma de tentar se defender com algum estofo político é reassumindo a Presidência do PR. "Quero falar em nome do PR e me defender. Já fiz uma carta ao Ministério Público pedindo que investigue tudo", pediu Alfredo, prontamente atendido.
Discutindo a saída de Nascimento na Jovem Pan:
Por Marco Antônio Villa - Professor e Historiador  - 07/07/2011
http://p.audio.uol.com.br/jovempan2/www/mp3/2011/07/06/Historiador060711.mp3 

Comments powered by CComment