Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 2852

 Produzido pelo Ternuma Regional Brasília
Por Paulo Carvalho Espíndola, Cel Reformado

Cale a boca, Lula. Abaixe as suas “zurêias” e ouça com os ouvidos, que, efetivamente, permitem um ser vivo ouvir vaias ou aplausos. Talvez, na sua impostura, culpar as “zurêias” seja o grande mote para você não saber de nada do que ocorre neste pobre país que o elegeu presidente.  Cale a boca, Lula. O Brasil não é um “cachorro de muitos donos, que morre por não ter quem o cuide”. Aguce os sentidos e tenha consciência de que o dono do cachorro é você, por ter sido eleito e por ganhar muito bem – a imoral pensão política à parte.
 
 
 

 

Texto completo  

Chega de impudência. Basta de aparelhamentos do Estado e faça jus aos seus ganhos, trabalhando sem brandir as suas bravatas e, muito menos, a dizer as asneiras de que estamos fartos.

 “Este país” não é um canil de cachorros com muitos donos e “neste país” não mais cabem as cachorradas dos ladravazes que o cercam, mesmo que você não os ouça, não os veja e não saiba o que fazem. As aspas do que escrevo são dos seus discursos, que só sensibilizam os desafortunados recebedores das suas bolsas-esmolas.

 As vaias do Maracanã e, agora, das cidades por onde você passa não são reações de uma “direita” recalcada ou de “elites” refratárias à façanha de um “trabalhador” vitorioso. São, sim, manifestações espontâneas de muitos que o elegeram, na esperança de dias melhores.

 Cale a boca, Lula. Não venha dizer, novamente que, nas suas cinco campanhas eleitorais à presidência, ninguém o alertou sobre a iminência de uma grande crise na aviação civil. Seja honesto. Admita que as suas “zurêias” só ouviam os maviosos cantos de Dilmas, Dirceus, Genoínos, Valérios, Joãos Paulos e de tantos outros aparelhadores do Estado. Seja franco e admita que essas sereias o traíram, levando-o ao desgoverno e submergindo o Brasil nesse mar de lama em que todos nós nos encontramos.

 Lula, neste momento, a sociedade esboça reação democrática aos desatinos do seu governo. Você se finge de mouco e confia em pesquisas suspeitas que o elevam ao olímpo, como se você fosse um Zeus moderno.

 Vêm neste momento histórico, entretanto, manifestações populares de repúdio ao que aí está. Rápido como quem rouba, o seu partido acaba de decidir, em reunião da executiva partidária, uma convocação da militância petista para contrapor-se, como vocês dizem, às provocações da “direita reacionária”.

Lembra dos tempos em que você liderava os “Fora” Sarney”, “Fora Fernando Henrique”, além dos “Abaixo a ditadura”? Pois é... A Democracia permite tudo, embora você e seus petistas pensem o contrário.

 Ainda é tempo, Lula. Torne mais rouca a sua voz de prestidigitador, que vende até mato pegando fogo, e deixe a sociedade manifestar-se. Não permita que haja confronto do povo com as suas milícias. Não fuja, de novo, sob o pretexto de corrigir um terçol. A História não fala dos covardes e dos fujões.

O Brasil ainda é um Estado democrático, embora você seja um aprendiz de Hugo Chávez.

 Aprenda com os milicos que o Brasil está acima de tudo.

 Desconfio, porém, que você não pensa assim...