A novela acabou mudando de rumo 
  na tentativa de conseguir audiência.
Silvio Santos reclama de ibope baixo e novela troca drama por humor
Folha .com - 15/06/2011
O dono do SBT, Silvio Santos, reclamou do baixo desempenho da novela "Amor e Revolução" em reunião nesta terça-feira, no Complexo Anhanguera. Silvio fez a queixa diretamente ao autor da novela, Tiago Santiago, que se prontificou a efetuar várias mudanças.
A despeito da repercussão e polêmica que a novela desencadeou na internet, "Amor e Revolução" não passa de cinco pontos de média na Grande São Paulo.
Cada ponto equivale a 58 mil domicílios assistindo à história, que se passa na ditadura militar.
Dentro de duas semanas a novela sofrerá uma guinada de 180 graus. Diálogos sobre política, personagens discursando para criar contextualização histórica, assuntos referentes a millitares serão praticamente abolidos da história. Em seu lugar haverá mais cenas de humor, amor e outros relacionamentos.
Procurado pela reportagem nesta tarde, Santiago não quis comentar sobre a "bronca" de Silvio Santos, mas confirmou que a novela terá algumas mudanças de rumo. "Nós de fato vimos várias pesquisas, e as pessoas à noite querem rir, se emocionar. Vamos acabar com o tema político mesmo", admitiu Santiago, que acrescentou: "Nunca mais vou fazer novela sobre política".
O autor decidiu ainda que as personagens de Luciana Vendramini e Gisele Tigre (Marcela e Mariana) terminarão juntas --talvez com direito a casamento-- e que haverá mais cenas "lésbico-eróticas" entre elas.
 
Observação do site www.averdadesufocada.com
Não se pode vender ficção como se fosse história. Para se escrever um roteiro para uma novela histórica é necessário estudar,  pesquisar documentos, ler depoimentos de várias fontes, conversar com sobreviventes do período, antes de escrever a novela e, não se basear na própria ideologia para desenvolver o enredo.
Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar