Quanto mais Palocci se explica, mais ele se complica
Por Villas-Bôas Corrêa - JB Online - 04/06/2011
Chega a dar pena a incompetência do ministro chefe da Casa Civil da presidente Dilma Rousseff, nas muitas explicações e desculpas nas quais cada vez mais se enrola, sobre a escalada do aumento do seu patrimônio quando era deputado federal e coordenador da campanha presidencial de Dilma.
.
Ora, antes de mais nada, se a moda pega a nossa democracia de fancaria, correrá o sério risco de uma crise institucional, no modelito das que costumam acabar em golpe e mais uma temporada de ditadura
Desde logo, não é sério invocar tal argumento. Ditadura sempre tem desculpa, a mesma esfarrapada lengalenga.
Dirigentes do PT, quer dizer Lula e Dilma, chegaram a anunciar que o partido divulgaria uma nota para esclarecer que a crise do chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, é uma questão do governo.
O clássico drible maroto de empurrar com a barriga a lambança que suja a casa.
A presidente Dilma interveio para evitar a patuscada. Com a vassourada presidencial, o tal documento foi jogado no lixo. Mas o resíduo petista de quatro dirigentes da legenda teimaram em reclamar a saída imediata do ministro.
O esperto secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, sussurrou, para os rapazes da imprensa, que a situação é “muito delicada” e que Dilma pediu explicações ao condenado Palocci. Reunida ontem à noite, a Executiva Nacional do PT negou à vítima qualquer gesto de consolo ou solidariedade. Palocci não teve nem o consolo da solidariedade. Homem ao mar, desaparece no oceano. Dentro de uma semana estará esquecido, e a romaria dos bajuladores continuará comparecendo ao gabinete do Chefe da Casa Civil para desancar Palocci e fazer média com o novo astro que brilha no céu do governo.
Parece brincadeira de criança. Ora, difícil é aceitar a pobreza; a riqueza dispensa explicações. O ministro Palocci não está ameaçado de ser posto no olho da rua porque enriqueceu, mas por não saber explicar como ficou rico. Ninguém liga para a choradeira dos que não têm onde cair mortos. E aceitam qualquer potoca sobre o súbito enriquecimento dos que sabem abrir o cofre da Viúva.
Vá lá que o Palocci enriqueceu muito depressa, estava com a garganta seca quando teve acesso ao pote. E o novo rico esbanjou milhões, depois que foi encarregado de recolher doações para o partido.
E a crise caiu no deboche. Um dos que estão saltando do barco antes que afunde levou na troca: “O problema do Palocci está resolvido. Ele está muito bem de vida”.
 
 

Comments powered by CComment