Gary Prado - profesor de várias
  universidades de Santa Cruz

 JBONLINE
DA REDAÇÃO - O Tribunal Penal de La Paz determinou, na última sexta-feira, a prisão domiciliar do ex-general Gary Prado Salmón, acusado de ligação com um grupo terrorista. Segundo a agência Ansa O militar é conhecido por ter capturado o guerrilheiro Ernesto Che Guevara, em 1967.
A juíza Betty Yañiquez também mandou prender Ronald Castedo, possível presidente da ordem dos Cavaleiros do Oriente, e Juan Carlos Santisteban, líder do movimento Falange Socialista Boliviana (FSB).
Os três são acusados de ligação com um grupo terrorista desarticulado em abril de 2009. Segundo o promotor Marcelo Soza, que investiga o caso, entre os planos da organização estava a intenção de assassinar o presidente Evo Morales.
Para a Procuradoria, Prado Salmón tem envolvimento com o boliviano, com cidadania húngara e croata, Eduardo Rozsa Flores, morto pelas autoridades locais. Na ação do último ano, também foram assassinados o irlandês Michael Martin Dwyer, romeno Arpad Magyarosi, croata Mario Tadic Astorga e o húngaro Elod Tóaso.
Prado Salmón admitiu conhecer Rozsa Flores, mas esclareceu que teria conversado com ele sobre a captura de Che. Pelo mesmo caso já havia sido foi determinada a ordem de prisão domiciliar contra o filho do militar, Gary Prado Araúz, que foi candidato a prefeito de Santa Cruz nas últimas eleições, de 4 de abril.
As investigações de Soza apontam que cerca de 20 empresários e dirigentes cívicos podem estar envolvidos com a organização terrorista. A maior parte das pessoas pertencia aos Cavaleiros do Oriente, uma suposta ordem secreta formada em Santa Cruz, no final dos anos 70.
Prado Salmón foi o oficial que capturou ferido, em 8 de outubro de 1967, o guerrilheiro argentino no sudeste da Bolívia. Um dia depois, Che Guevara foi executado.
 Observação do site  www.averdadesufocada.com : Leia na seção VALE A PENA LER DE NOVO os artigos  "Tribunal Revolucionários mata por engano"  e "Terceiro Militante" sobre a perseguição a Gary Prado.  Pelo visto essa perseguição continua, agora por outros meio.  Evo Morales caça os  possíveis adversários de sua ideologia, que não têm escapatória. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.  

Comments powered by CComment