Lucas Figueiredo - Correio Braziliense
Revanchismo, recuperação da memória, acerto de contas com o passado. Seja lá o nome adotado para classificar as medidas do Estado em relação à revisão dos atos da ditadura militar, uma coisa é certa: o debate deverá contaminar a eleição presidencial, com a ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, no centro das discussões.
O 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), lançado no fim de dezembro, determina que a Casa Civil coordene o grupo ministerial encarregado de estudar a criação da Comissão da Verdade, que apuraria casos de violação dos direitos humanos na ditadura (como tortura, estupro, assassinato e ocultação de cadáveres). Além da pasta de Dilma, vão compor o grupo os ministérios da Defesa e da Justiça e a Secretaria Especial de Direitos Humanos. Ou seja, Dilma terá a última palavra sobre o projeto de lei que cria a Comissão da Verdade, a ser encaminhado ao Congresso ainda neste ano.
Dilma também será a fiadora de outras ações de governo que visam a rever os atos da ditadura. A Casa Civil, por intermédio do Arquivo Nacional, é a responsável pelo projeto Memórias Reveladas, que divulga a história de desaparecidos políticos e de suas famílias e pede a doação de documentos referentes à ditadura. Em maio, termina o prazo para recebimento de documentos, que deverão ser tornados públicos ainda em 2010. E, segundo apurou a reportagem, já foram doados papéis que contêm informações que jogam luz em casos de tortura e assassinatos de presos políticos.
Reação
Militares reformados que tiveram atuação de destaque no regime militar já desencadearam uma reação por meio da internet. Sites como A verdade sufocada (
www.averdadesufocada.com), mantido pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-Codi de São Paulo, e Ternuma (www.ternuma.com.br), do grupo Terrorismo Nunca Mais, composto por civis e militares de extrema direita, manifestam críticas que os militares da ativa e o comando das Forças Armadas não podem fazer.
Em recente artigo publicado no Ternuma, o general Paulo Chagas atira contra o ministro-chefe da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi. “O que ele quer de fato é a agitação, a desarmonia, a desmoralização das Forças, que frustraram o sonho ensandecido de assassinar a liberdade e transformar o Brasil numa grande Cuba”, afirma no seu artigo o militar reformado.
Principal mentor da política de revisão dos atos da ditadura, Vannuchi é um dos que acompanharão as buscas dos restos mortais dos guerrilheiros do PCdoB desaparecidos na região do Araguaia (Pará), que serão retomadas no fim de março por um grupo coordenado pelo Ministério da Defesa. O ministro sempre nega que haja uma onda de “revanchismo” e insiste que as medidas têm como lema o direito à verdade e à memória. (LF) 
Observação do site :
 Senhor Lucas Figueiredo, uma correção  que gostaria que  fosse observada: a responsável pelo site www.averdadesufocada.com sou eu ,Maria Joseita Silva Brilhante Ustra, casada com  o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, autor do livro A Verdade Sufocada.
 . Durante todo o meu curso  no Instituto de Educação, no Rio de Janeiro, juntamente com outras colegas , fundamos uma revista estudantil - O Tangará -, que foi publicada por outros grupos de estudantes até poucos anos atrás. Fui, por cinco anos , do ginasal ao Normal, sua diretora. Juntamente com outras colegas, fui corretora de anúncios, redatora de matérias, repórter  e editora da revista. Gostei tanto da experiência que meu sonho era ser jornalista. O casamento e o nascimento das filhas passaram a ser mais importantes e me desviram desse objetivo . Há dois anos e meio atrás,  por sugestão de amigos, vi uma forma de voltar a realizar esse sonho, mesmo sem conhecimento , formação específica, nem cultura suficiente, criei, com a ajuda de um webmaster o site  Qual o nome? .Com autorização de meu marido, estava batizado o site. A linha política, a minha, semelhante a dele. Conhecimento da Luta armada eu já tinha, pois pesquisava o assunto há mais de 20 anos.
Única exigência de meu marido: publicar matérias dele. Para isso foi criada a seção "Texto do autor".Acredite ou não, ele não interfere em nada no site.
Felizmente, apesar de todo o patrulhamento ideológico, ém tão pouco tempo,  já ultrapassou  4 milhões de visitantes de várias camadas sociais e de várias faixas etárias . A média de países que acessam o site por mês é  cerca  de 90 .
 Por favor, se possível faça a correção, quanto ao responsável pelo site...  
Adicionar comentário