Jornalista Aluizio Amorim
Mais uma vez as Forças Armadas são alvo de uma calculada ação de Lula e seus sequazes no sentido de intimidá-las, execrá-las e desgastá-las.
Ora, todos sabem que os militares brasileiros há muitos anos voltaram aos quartéis, estão altamente profissionalizados, não se metem em política e agem em perfeita consonância com o que preconiza a Constituição.
Repito que a Lei da Anista ampla e irrestrita como se exigia à época dos debates que precederam esse dispositivo legal absolutamente correto e que abriu as portas ao retorno do país ao regime democrático, tem de ser mantida.
Qualquer manobra contrária a esta lei representa um retrocesso cujos desdobramentos são previsíveis, ou seja, forçar a Nação a dar mais um passo em direção a adoção de um regime do tipo venezuelano.
É lamentável o propósito dos ministros militares de abandonar seus cargos em protesto à investida do esquerdismo irresponsável, quando na verdade deveriam denunciar à Nação essa bolchevização botocuda do Brasil que vem sendo levada a efeito por Lula e seus sequazes.
Causa espécie, ainda, a manifestação da Ordem dos Advogados do Brasil que cerra fileiras em torno dessa tentativa que caracteriza todas as ditaduras, que é criar um inimigo fictício com a mudança da Lei da Anistia, cuja finalidade outra não é que execrar as Forças Armadas.
O resultado desse pensamento obtuso professado por Lula e seus sequazes durante esses quase oito anos de lulismo já pode ser sentido por toda a população: a desordem e o avanço da criminalidade botocuda que já transborda dos grandes centros e se espraia por todo o país.
Não há nenhuma Nação no mundo que alcançou o desenvolvimento execrando suas Forças Armadas e tolerando a desordem.
No Brasil, essa nefasta tentativa de desmoralização dos militares chega a ser surrealista quando se sabe que muitos deles tombaram em combate contra a horda de celerados comunistas que desejavam cubanizar o Brasil. Esta é que é a verdade que poucos, muito poucos, têm coragem de admitir.
Examinando-se os fatos friamente, se alguma mudança na Lei da Anistia tivesse de ser feita justo seria o sentido inverso, ou seja, rever a lei com vistas à punição e execração pública da bandalha comunista que, se vitoriosa, teria destruído as liberdades democráticas completamente.
Tivesse sucesso naquela época o terror esquerdista, hoje estaríamos mais atrasados ainda e sob o tacão de uma ditadura comunista de modelo chinês ou cubano e as liberdades civis seriam uma quimera.
Portanto, não há nenhuma justificativa para mexer numa vírgula sequer da Lei da Anistia.
Interessa aos cidadãos de bem a democracia, a supremacia da Lei e da Ordem, a alternância do poder que só o livre jogo democrático permite. Interessa, sobretudo aos cidadãos democratas, as Forças Armadas como referência de segurança e sujeitas aos ditames da Constituição.
Este é que tem de ser o projeto para o Brasil, tendo por fundamento os valores democráticos, dentro da concórdia, de um perene clima de paz e de civilizado respeito à lei.
Nenhuma Nação do mundo prosperou sob com base no ódio e na vindita.

 

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar