Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 3337

Durante a execução do hino nacionalForam momentos memoráveis, sem dúvida !
Íamos chegando e apresentávamos ao brioso Cel. Ustra nossas solidariedades pessoais com um forte aperto de mãos. Para iniciar os trabalhos foi entoado o nosso Hino Nacional; poucas vezes o ouví tão brilhante, tonitroante mesmo. Aquelas cordas vocais estavam tensas de patriotismo e exuberância, apesar dos anos que as distorciam ligeiramente, e o que as cabeças encanecidas não deixavam ocultar. O grande salão tornou-se um templo.

Texto completo


 

Osório, gigantesco em sua parede, vibrava certamente - ultimamente andava um pouco descrente de seus companheiros.
Recordei-me da primeira vez que ali estive - era, então, a câmara ardente do inclito General Canrobert Pereira da Costa. Era muito menino, alí estava pelas mãos de meu pai, que embora espanhol de pura cepa, ele vibrava, e muito com os grandes momentos de sua Pátria adotiva, e queria que seu filho também curtisse aquele momento áspero.
Em seguida ouvimos as palavras do Presidente do Clube Militar - uma bela oração que foi interrompida diversas vezes pelos aplausos da vibrante audiência.
 Seguiram-se as palavras do Cel. Ustra, cheias de gratidão aos companheiros. Contou das desilusões e injustiças que vinha sofrendo nesse seu já longo calvário, por ser um homem patriota e ter pugnado por uma Pátria livre e soberana.
 Ao final, muitos e merecidos aplausos de uma audiência de pé, já plenamente saciada a larga, mesmo antes do almoço que estava no programa.
Na Aviação Naval sempre nos utilizamos da similitude dos pássaros, em suas formaturas em "V"ictor para descrever o trabalho do líder e seus liderados. O pássaro que voa no vértice é o lider, e a ele compete o maior esforço em romper as desistências aerodinâmicas mais poderosas. Seus alas são como que arrastados por seu esforço. Mas, em troca desta sua dedicação, seus liderados vão gransnando e transmitindo-lhe ânimo, garra e, porque não, o reconhecimento e a gratidão de seus companheiros. Devemos meditar nesta lição destes animais, antes de cobrar posturas mais positivas por parte dos nossos líderes.
Quase todas as vias da humanidade são de duas mãos.
"Brasil Acima de Tudo".

 J.A. Castro Puga.

CAlte.(Rm1).