Extraido do Projeto Orvil pela editoria do site www.averdadesufocada.com

Capítulo I 

A FONTE DA VIOLÊNCIA

Os objetivos da revolução comunista

O objetivo final da revolução marxista-leninista é atingir o comunismo -"a última e grande síntese" -, uma  sociedade sem Estado e sem classes. Sem classes e, portanto, sem a luta de classes, o comunismo seria a "sociedade perfeita", onde, não havendo contradições, o materialismo histórico não seria aplicado.

Segundo essa ideologia, para a chegada ao objetivo final, terá que ser atingido um estágio anterior, transitório, verdadeiro trampolim para "o salto final" é o estágio do socialismo, da destruição do Estado burguês, sobre cujas ruínas o proletariado erigirá um Estado próprio, caracterizado pela "ditadura do proletariado" sobre as demais classes.

Esta etapa do socialismo marxista-leninista, também chamada de "socialismo cientifico", não deve ser confundida com outros tipos de socialismo, ditos democráticos e não leninistas.

Mas, ainda antes de chegar ao socialismo ou à ditadura do proletariado, os comunistas defendem a existência de um objetivo intermediário, onde seria implantado um Estado do tipo "progressista", cujo governo seria composto pelo proletariado, pelo campesinato e, ainda, por uma parcela da burguesia - a pequena parcela "nacionalista".

Texto completo

Os trotskistas, apesar de se considerarem marxistas-leninistas, não advogam essa etapa intermediária para a implantação da "ditadura do proletariado". Para eles a revolução, desde seu início, terá caráter socialista.

Este é o esquema que sintetiza os objetivos dos marxistas-leninistas, a partir da democracia implantar o comunismo.

Embora se nos apresente paradoxal, a defesa, pelos comunistas, da democracia, com as liberdades elevadas ao máximo, ela se justifica.  Quanto mais débil e sem defesa a democracia, mais fácil sua dcsestabilizacão e a deflagração do processo de tomada do poder.

2. Os Caminhos da Revolução

Para atingir seus objetivos estratégicos, a violência tem sido o caminho apontado pelos ideólogos comunistas. Na prática, a história mostra ter sido a violência a tônica de sua revolução.

Em nenhum pais do mundo os comunistas lograram alcançar o poder por outra via.

Marx, referindo-se à Comuna de Paris, disse que um dos seus erros fundamentais "foi a magnanimidade  desnecessária do prolretáriado: em vez de exterminar os seus inimigos dedicou-se a exercer influência moral sobre eles".

Engels, seu dileto companheiro, complementou:

"A violência joga outro papel na história, tem um papel revolucionário: é, segundo a frase de Marx, a parteira de toda velha sociedade, é o instrumento com a ajuda do qual o movimento social se dinamiza e rompe formas políticas mortas""

Lenin, em seu famoso livro "O Estado e a Revolução", dizia:"A liberdade da classe operária não é possível sem uma revolução sangrenta".

Com tais premissas, baseadas na lei fundamental marxista da transformação e apoiadas nos seus conceitos de moral, compreende-se a fonte da violência.

Embora Marx e Engels insistissem na necessidade universal da violência, chegaram a admitir, em casos especiais, a possibilidade de uma mudança social por meios pacìficos. Seria inaceitável que inteligências tão lúcidas não a admitissem. Sun Tzu já nos ensinava há 500 anos A.C., e é principio de guerra cada vez mais válido, que não se faz uso da força quando se pode conquistar os objetivos almejados, a despeito do inimigo, sem fazê-lo. Ademais, o emprego da força apresenta sempre um risco pela resposta violenta que necessariamente provoca.

Para Lenin, a base de toda a doutrina de Marx e Engels está na necessidade de inculcar sistematicamente nas massas a idéia da  revolução violenta. No entanto, na sua obra antes citada, ao expor a doutrina marxista do Estado e as tarefas do proletariado na revolução, examina a utilização da  violência para a tomada do poder, mas considera, também, a possibilidade da passagem pacifica para o socialismo, bem como trata da necessidade de um estágio intermediário, para a implantação da ditadura do proletariado.

Assim reduzidos as suas formas mais simples, podem ser sintetizados em dois os caminhos utilizados pelos comunistas para a tomada do poder: o uso da violência (ou luta armada) e a "via pacífica".

Ao longo do tempo os objetivos e a estratégia para conquistá-los acabaram por transformarem-se nos pontos fundamentais de divergência entre os comunistas. Em torno delas, Trotsky, Stalin, Mao Tsetung, Kruschev e Fidel Castro, para citar apenas os principais atores dessa história, desenvolveriam suas próprias concepções da revolução.

Essas concepções diferenciadas darão margem a um vasto espectro de organizações, todas intituladas marxistas-leninistas.

3. O Trabalho de Massa

As formas utilizadas pelos comunistas para alcançar seu objetivo fundamental - a tomada do poder-, possivelmente por ter sido Lenin um estudioso de Clausewitz e ter sua própria filosofia da guerra, assemelham-se muito às da conquista de um objetivo militar na guerra, o que nos oferece uma imagem propícia para a compreensão do problema.

Para a conquista de um objetivo na guerra, há um árduo e persistente trabalho de preparação a realizar.As tropas precisam ser mobilizadas e organizadas; devem aprender táticas e técnicas de combate, durante um período relativamente longo de intrução; precisam ser equipadas e supridas de uma quase interminável série de artigos; necessitam de apoio de fogo, de engenharia, de comunicações, de saúde, etc... Deixando de lado uma série de outras necessidades, tais como o conhecimento sobre o campo de batalha, as informações sobre o inimigo, etc., devem, sobretudo,estar moralmente preparadas e possuir determinação e vontade de lutar. Eis, então, que se deslocam para o campo da

luta. Chegado esse momento - o da batalha- o combate pode ou nao se realizar. Se o inimigo está organizado, tem forças suficientes e vontade de lutar, haverá, fatalmente, o combate. Se o inimigo, porém,é fraco ou está combalido, mal posicionado ou sem determinacão, ele pode.entregar-se praticamente sem luta. Na terminologia militar, nesta última situação, diz-se que o inimigo "caiu pela manobra". Sem ser necessário o uso da força, será atingido o mesmo fim: sua submissão a vontade do exército que empreendeu a operação.

Esses são, pois, os dois caminhos para a conquista do objetivo:

-o dà violência da luta armada e o da manobra. Este último, em relação ao anterior, pode ser considerado "pacífico". O árduo trabalho prévio é indispensável para se utilizar ambos os caminhos, porque se ele não existir, não haverá, no momento do combate, a necessária desproporção de força e de vontade, suficiente para que a ação contra o inimigo seja bem sucedida ou o obrigue a render-se sem combater.

 Para a tomada do poder pelos comunistas, também existe um trabalho prévio, árduo e persistente, denominado por eles de trabalho de massa. O trabalho de massa consiste nas atividades de infiltração e recrutamento, organização, doutrinação e mobilizaçao, desenvolvidas sob técnicas de agitação e propaganda, visando a criar a vontade e as condições para a mudança radical das estruturas e do regime.

 Em todos os Partidos Comunistas existe uma Seção de Agitação e Propaganda, que se encarrega dessa atividade. A teoria comunista distingue porém, uma atividade da outra: a agitação promove uma ou poucas idéias, que presenta à massa popular; a propaganda, ao contrário, oferece muitas idéias a uma ou poucas pessoas. Ambos são processos condicionantes. 

O trabalho de massa objetiva: incutir em seus alvos a ideologia comunista como a única solução para todos os problemas;minar a crença nos valores da sociedade ocidental e no regime; enfraquecer as salvaguardas e os instrumentos juridicos de defesa do Estado; controlar a estrutura administrativa e influir nas decisões governamentais; e, atuando sobre os diversos segmentos sociais, reeducá-los, organizá-los, mobilizá-los e orientá-los para a tomada do poder.

 O Trabalho de massa é a preparação para o combate. Na hora decisiva da batalha, a sociedade organizada pode reagir e lutar - o que é normal -, ou, se desmoralizada e sem determinação, pode simplesmente, "cair pela manobra", pacificamente.

 

Comentários   
#1 Nivaldo Capóia 26-08-2013 11:27
Aqui no Brasil aconteceu isso quando a "direita",então no poder, entregou os pontos para o PT. A "direita" estava fraca, sem direcionamento, sem determinação...

Foi fácil para o PT, arregimentando uma multidão de milhões de pobres jogar suas mentiras de que seria a solução e ganhar o votos de que precisava para chegar às "chaves do cofre".

Hoje todos vemos que a ideologia petista, semelhante à comunista, é uma grande mentira, uma farsa.

Porisso, em nenhum país do mundo onde foi implantando o comunismo, sempre pela mentira e pela mortandade, essa ideologia vingou, deu certo. Sempre houve e sempre haverá um fracasso total.

A China é um exemplo bem atual. Virou uma economia de mercado... Se dobrou à produção capitalista. E se entregou aos prazeres do consumismo...
Adicionar comentário