Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 2258
Terminal receberá US$300 milhões do governo brasileiro
Por Eliane Oliveira O Globo

BRASÍLIA. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, anunciou ontem, após se reunir com o presidente de Cuba, Raúl Castro, que o Brasil vai emprestar US$300 milhões ao governo cubano, para a reconstrução do Porto de Mariel, cidade localizada a 45 quilômetros de Havana. O custo total da obra está estimado em um total de US$2 bilhões, sendo que a primeira fase da modernização do terminal é orçado em US$600 milhões.

Texto completo

O financiamento ao Porto de Mariel é um dos resultados da missão oficial brasileira liderada pelo ministro à ilha caribenha ao longo desta semana. O ministro também anunciou a instalação, na próxima terça-feira, de um escritório da Petrobras na capital cubana.

- A Petrobras já está em Cuba - disse o ministro, em entrevista a agências internacionais de notícias.

Miguel Jorge lembrou que a estatal brasileira já começou a trabalhar com testes sísmicos no bloco para exploração de petróleo que adquiriu em Cuba em outubro do ano passado. As atividades de prospecção realizadas pela Petrobras se concentram na Zona Econômica Exclusiva cubana do Golfo do México.

Eletrobrás participará de projeto de conexões elétricas

Miguel Jorge citou ainda projetos na área energética - como um plano de interconexões elétricas do qual participará a Eletrobrás - e a criação de uma empresa mista de lubrificantes. Ele mencionou ainda, na lista de projetos brasileiros em Cuba, a instalação de uma fábrica de vidros, também de economia mista.

- Cuba se insere de maneira muito forte na estratégia brasileira de aproximação com os países do Caribe, da América Latina e da África - disse o ministro Miguel Jorge.

Além do presidente cubano, Miguel Jorge foi recebido ontem pelos ministros da Informática e das Comunicações de Cuba, Ramiro Valdés; da Indústria Alimentícia, María del Carmen Concepción González; e de Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente, José Miyar Barruecos.

A delegação chefiada pelo ministro do Desenvolvimento foi composta pelo presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Reginaldo Arcuri, e por representantes da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e de 14 empresas brasileiras das áreas de energia, construção, alimentação, siderurgia e medicamentos.