Imprimir
Categoria: Corrupção
Acessos: 432

Giornale di Paulista: 07/20/15
Aileda de Mattos Oliveira
13 de mai. de 2020
O governador Wilson Witzel, cuja imagem está mais borrada do que as paredes desse Rio de Janeiro enjeitado, é um mau atirador. Quando fala e quando age, dá sempre um tiro no pé. Por isso, canta no ouvido do prefeito, Marcelo Crivella, sempre com um ar de sonolência, o que ele, governador sabe que, se fizer, não terá mais pés para caminhar.
Crivella, hoje, até segunda-feira, fechou a espinha dorsal da Tijuca, a Rua Conde de Bonfim. Os ônibus alteraram o itinerário levando os passageiros para os ‘confins do judas’ ou “para onde o diabo perdeu as botas’. Para não dizer que o bairro do governador, Grajaú, iria ser privilegiado, fechou uma praça.



Esquece-se Crivella, que a Rua Conde de Bonfim, é onde há agências de Bancos e da Caixa Econômica. Para chegar até ela, agora, as pessoas andam, andam e andam.

Crivella sabe que em outubro haverá eleições municipais e a maior vontade dele é de ser reeleito. Mas, não tem planejamento! Sente o sopro que vem do Palácio Guanabara, por enquanto, ocupado por mais um charlatão, e sai fazendo asneiras. O esperto pôs o problema nos ombros do sonolento prefeito, cuja solução foi fechar ruas.

Crivella não resolveu o problema da contenção da encosta da Avenida Niemeyer, até hoje fechada ao trânsito. Isso significa que “fechar”, é a única coisa que sabe fazer. Não resolveu a questão do pedágio na Linha Amarela, apesar do estardalhaço que a sua Record, fez. E quer se reeleger! E é bem capaz disso acontecer, devido a qualidade daqueles que disputarão, com ele, a grande fatia do queijo (o arrasado erário) e que já puseram a cara de fora. Todos com admiráveis currículos!

Pobre, Rio de Janeiro, cidade que, de alguns anos para cá, só pode ser vista de cima, porque no asfalto, ninguém aguenta mais.

Aileda