Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 2205

 07/10/2008 (Pouco mais de um mês) - O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse a uma platéia de cerca de três mil trabalhadores metalúrgicos em Angra dos Reis, que a crise econômica mundial não chega ao Brasil e afirmou que não haverá um pacote econômico no País. 

 

Notícias do dia de hoje:
Vale demite 1.300 e dá férias coletivas a 5.500 funcionários por causa da crise
A Vale informou nesta terça-feira que já demitiu 1.300 pessoas desde novembro por causa da crise financeira internacional. Além disso, 5.500 funcionários entrarão em férias coletivas entre dezembro e fevereiro de 2009. Outros 1.200 funcionários foram colocados em treinamento para assumirem novas funções na companhia. Segundo a assessoria de imprensa da Vale, as medidas foram tomadas por causa da queda das encomendas de siderúrgicas, em conseqüência da crise.

Crise gera demissão em massa em Pedro Leopoldo
O município de Pedro Leopoldo já conhece de perto os reflexos da crise financeira internacional. Empregados de uma fábrica de tecidos do município denunciam que a empresa está fazendo uma demissão em massa.  A empresa, que vende para o Brasil e exporta para países da América do Sul, mantém unidades em Pará de Minas e em Belo Horizonte. As 180 demissões teriam sido motivadas pela otimização do parque industrial e centralização em Pará de Minas e não por conseqüência da crise. Entretanto, os funcionários estão desesperados e dizem que o número de gente que foi mandada embora é de quase trezentas pessoas.

FRIGORÍFICO EM CRISE: DEMISSÃO EM MASSA EM ARIQUEMES; A MEDIDA ATINGIU AINDA ROLIM E PIMENTA BUENO
Com dificuldades para manter as margens por causa da alta dos preços do boi gordo e trabalhando com ociosidade, devido à escassez de animais para abate, o frigorífico Margen suspendeu as operações em suas 16 unidades de abate de bovinos no país e deu aviso prévio a 3,5 mil de seus 5 mil funcionários.

Setor automotivo pode demitir em janeiro
As empresas do setor automotivo do País vão se reunir em janeiro para decidir se enxugarão o quadro funcional. A atitude é um sinal de alerta e uma mostra de que o Brasil não está imune aos efeitos da crise internacional.