João Cândido vendendo peixe a uma freguesa na praça 15, centro do Rio de Janeiro

Um triste acontecimento na História do Brasil e da sua própria Marinha foi a “Revolta de 1910” , um fato deplorável, um motim planejado e premeditado que causou mortes e sofrimentos de pessoas, principalmente no Encouraçado “Minas Gerais”, onde estava servindo João Candido Felisberto, um marinheiro de raça negra, um suposto líder e mentor do movimento, mas que , na verdade obedeceu ao sinal ou a ordem de outros cúmplices, para dar início às danosas ações que se desenvolveram.

 

Texto completo

À João Candido, hoje batizado de Almirante Negro, por aqueles que desconhecem o seu verdadeiro comportamento, coube posteriormente apenas negociar a anistia. Naquele episódio, vários oficiais, sargentos e marinheiros foram sacrificados, enquanto instalações e materiais diversos foram danificados, sobressaindo o massacre a que foi submetido o então Comandante  do  “Minas Gerais” que teve o seu corpo desrespeitado por um dos revoltosos que ainda urinou sobre seu cadáver.

Num curto espaço de tempo, estava também ocorrendo  uma crise institucional de extrema gravidade, ameaçando inclusive a cidade do Rio de janeiro, na época, a capital do País.
Tal episódio deve ser considerado como uma ruptura do preceito hierárquico, uma vez que, na Marinha do Brasil as reivindicações dos subalternos, em via de regra, quase sempre obtiveram a compreensão, o reconhecimento e o respaldo para decisão superior, por meio de argumentações e diálogos entre as partes envolvidas.

Assim, em hipótese alguma, aquele movimento não pode ser interpretado como ato de bravura ou de caráter humanitário e a Marinha deste País, estou certo, jamais reconheceria qualquer heroísmo naquelas ações desencadeadas pelos amotinados.
 
 Portanto, no meu entender, não existiu a menor justificativa para que fosse homenageado um “Falso Herói”, na ocasião em que se comemora o Dia da Consciência Negra”, com a colocação de uma estátua daquele indisciplinado marinheiro na Praça XV ,nesta cidade, num evento que contou com a presença de autoridades, notadamente a do Comandante Supremo das Forças Armadas – O Presidente da República.

Considero mesmo que, no dia 20 de novembro de 2008, a nossa imaculada Marinha do Brasil foi desprestigiada, Marinha que sempre esteve presente em defesa da nossa soberania, desde quando atuou para consolidar a nossa independência, como também, nas duas Guerra Mundiais que eclodiram nos idos de 1914 a 1918 e de  1939 a 1945.

LAMENTÁVEL.
Alfredo Karam , Almirante-de-Esquadra  ex Ministro da Marinha
NOTICIARIONAVAL 
Adicionar comentário