O GRUPO GUARARAPES tem recebido muitos e-mails onde o ÓDIO explode em cada palavra. Um dos nossos membros conta uma história interessante, que demonstra que o “ÓDIO não corrige, não atrai, não leva o homem a DEUS” como escreveu Santo Agostinho. Ele estava sentado na sua cadeira de vereador, na Câmara Municipal, em Fortaleza. Um advogado, amigo dele, na tribuna, lhe fez os mais rasgados elogios, que o colocaram em situação de constrangimento. De repente, ele recebe um abraço por trás. Virou-se e era uma senhora que nunca tinha visto na vida. Ela olha para ele e diz: “Eu o odiava. Agora, com as palavras do doutor, eu vou lhe adorar. O doutor não mente”. Falou: “Como a senhora pode me odiar se nunca lhe fiz nada e nunca a vi”? Não lhe respondeu e foi embora.

Texto completo

O último e-mail por nós recebido destila ÓDIO contra o Cel. USTRA. Quem o escreveu nunca viu o Coronel, nem quer saber de sua versão sobre o que o acusam. No mesmo e-mail, acredita que o assassinato do capitão CHANDLER, americano, foi um ato santo. O esfacelamento da cabeça do Tenente Mendes, por Lamarca, só pode lhe parecer um ato heróico. A que ponto chega a cegueira do ÓDIO. Odiar por odiar.


Matar por matar é próprio dos loucos. Tivemos muitos loucos no século XX. MAO – STALIN – HITLER - FIDEL e, hoje, as FARC. Aqui no Brasil, onde o AMOR era o nosso apanágio como modo de vida (CAXIAS, O PACIFICADOR – PEDRO II – FIGUEIREDO QUE NOS DEU A ANISTIA) começa-se a implantar A FILOSOFIA DO ÓDIO, por uma minoria desvairada, onde o líder maior é o atual ministro da justiça. Veste-se de pele de cordeiro, mas é um desvairado lobo.


Outro dia, foi contada, na Internet, uma história de um aviador alemão que, na 2ª. Guerra mundial, recebeu ordem para abater um avião bombardeiro americano, já atingido pelos alemães. Chegando perto do mesmo, viu a desgraça dos homens quase mortos tentando salvar-se, e, em lugar de matá-los os orientou para a Inglaterra e os salvou. Muito tempo depois, mais de 40 anos, se encontraram e se abraçaram. Sabe o que é isto? GRANDEZA. SEM ÓDIO; AMOR AO PRÓXIMO.


Figueiredo promulgou a ANISTIA. Ele se lembrava do que seu pai ( Gen. Euclydes Figueiredo) sofreu no exílio. Ulisses Guimarães ainda tentou limitar a ANISTIA para os que estavam fora do País, não lhes permitindo que tivessem direito a se candidatar. Era o medo de ser sobrepujado por novas lideranças. Figueiredo não aceitou (“Lugar de brasileiro é no Brasil”) e Arraes e Brizola ganharam as eleições em PE e RJ, respecitivamente. Assim foi porque, no Brasil, havia AMOR e não ÓDIO.


Hoje, temos o ÓDIO até no ASSALTO AOS COFRES PÚBLICOS pelos que foram anistiados; gritando à frente, o ministro da justiça, espumante de ódio e rancor, que não coloca na cadeia os seus corruptos e ladrões. Pode, qualquer dias desses, estourar apoplético.
O GRUPO GUARARAPES transcreve MARTIN LUTHER KING:


 “A ESCURIDÃO NÃO PODE EXPULSAR A ESCURIDÃO, SÓ A LUZ PODE FAZÊ-LO; O ÓDIO NÃO PODE EXPULSAR O ÓDIO, SÓ O AMOR PODE FAZÊ-LO.”


GUERRA AO ÓDIO!! VIVA O AMOR!!
 
Publicada em: 01/11/2008

Adicionar comentário