Aileda de Mattos Oliveira (23/8/2016)
Não são os membros dos Poderes da República os conhecedores dos problemas brasileiros. Aprofundarem-se nas questões nacionais e discutirem soluções para elas é o que menos importa aos senhores legisladores, magistrados, atribulados em manter imunidades, foros privilegiados, e outras mordomias. Suas atenções estão voltadas para a blindagem das regalias passíveis de serem prejudicadas pela língua afiada de um delator trancafiado. 
Quem conhece o Brasil não são os governantes. Estes pecam em desconsiderar, tornando-as menor, as questões vitais de soberania e nem se propõem a ouvir quem tem gabarito para apresentar soluções.
Para eles, governar resume-se a visitas protocolares a outros países, assinar acordos, quase sempre lesivos à nação e de consequências altíssimas à nossa integridade, e se abaixar à imprensa estrangeira com críticas ao próprio país que dirige. Desde FHC, isso se tornou uma norma.
 
Quem conhece o Brasil não é a submissa imprensa, repetidora de clichês, sem leitura isenta da história nacional, omissa nas questões amazônicas, silenciosa em outras que engrandecem o país, ignorando os responsáveis por essa projeção positiva, por estar sujeita às impatrióticas injunções ideológicas, que travam a sua pena, de natural, comprometida.
Quem conhece o Brasil não são as intrusas Organizações Não Governamentais que interferem na unificação étnica, impedindo a inclusão dos índios na sociedade brasileira, a pretexto de proteção de sua cultura ancestral, quando elas próprias já os aculturaram em língua estrangeira, vestiram-nos de jeans, puseram euros nos seus bolsos, doutrinaram-nos contra a sua terra, deram-lhes salvo-condutos para visitas ao cacique europeu.
Quem realmente conhece o Brasil vive nele, embrenha-se nele, ouve bater o seu coração e sente o sangue correr em suas artérias. Sabe do que ele precisa, porque já fez o diagnóstico de suas misérias, mas o Poder Público não se sensibiliza com as suas urgentes necessidades, não agindo, sequer, para minorá-las. 
Quem realmente conhece o Brasil, logo que se acantona em qualquer distante pedaço do território, põe em prática o trabalho social que caberia ao Estado exercer. Quem realmente conhece o Brasil sente pesar pela situação de abandono de brasileiros, vítimas da usura do Executivo, incapaz de investir em gente como a gente. Não foi para estender a todas as regiões os benefícios de prometidas políticas públicas, que a Capital se instalou no centro do país?
Quem realmente conhece o Brasil em todos os seus espaços e necessidades é sempre ele, o Exército, que vê à volta dos quartéis a carência extrema das povoações, ignoradas pelos dirigentes que nada fazem em favor da integração desses brasileiros ao país, desejosos de participarem de seu desenvolvimento.
Neste dia 25 de Agosto, Dia do Soldado, ao Exército Brasileiro rendemos as nossas homenagens pela excelência da Corporação e, particularmente, pelo socorro humanitário à população de índios e de não índios, nas lonjuras que os separam da pomposa e arrogante Cidade Administrativa.
Como pilar da nação que ajudou a consolidar, conhece profundamente o Brasil por ter, justamente, crescido com ele. É a História que nos diz.
(Dr.ª em Língua Portuguesa. Vice-Presidente da Academia Brasileira de Defesa) 
 
 
 
 
Adicionar comentário