Exército faz lobby contra criação de dia nacional de vítimas da ditadura. Apesar de nota do general Peri, comissão da Câmara aprova projeto
Evandro Éboli - O Globo

BRASÍLIA. O que era para ser apenas mais um projeto criando data comemorativa acabou virando motivo de preocupação nas Forças Armadas. O Comando do Exército patrocinou um forte lobby para tentar derrubar esta semana, na Comissão de Educação da Câmara, projeto de lei da deputada comunista Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) que cria o "dia nacional em homenagem a todas as vítimas do regime militar no período de 1964 a 1985". A data escolhida foi 28 de agosto, dia da publicação da Lei da Anistia, em 1979. Os militares chegaram a elaborar nota técnica, em papel timbrado do gabinete do comandante do Exército, Enzo Peri, distribuída aos parlamentares.

Texto completo

A pressão militar foi tamanha que a nota do Comando do Exército virou o parecer do relator, deputado Lira Maia (DEM-PA), que repetiu integralmente o texto no seu voto. Mas, apesar de todo o lobby da assessoria parlamentar do Exército, o projeto de Vanessa foi aprovado e o parecer de Maia, rejeitado.(...)

(...) Na nota, o comando argumenta que o dia 28 de agosto já é suficientemente comemorado em todo o país como Dia da Anistia e em sessões comemorativas no Congresso. O texto registra que houve restrição de anistia a "pessoas condenadas por atos terroristas cometidos no período em que grupos de esquerda usaram a luta armada para combater e desestabilizar as instituições nacionais".

O Comando do Exército diz ainda que os direitos dos desaparecidos políticos e de "supostas vítimas do regime militar" são tratados na lei de 1995 que criou a comissão que indenizou familiares desses ativistas. Na conclusão, os militares pedem aos deputados a rejeição do projeto e insinuam que, na proposta, foram esquecidos os soldados que morreram na luta contra guerrilheiros da esquerda.(...)

Opinião  do site : Afronta


Imaginem a dor dos parentes das 120 vítimas mortas por terroristas  que tentavam implantar uma ditadura marxista-leninista, com a criação de um dia em louvor aos assassinos de seus entes queridos.. . Imaginem a dor dos órfãos, das viúvas... Imaginem a dor dos quase dois  mil feridos que sofreram seqüelas que os fazem sofrer até hoje....

Aos familiares dessas vítimas nossa revolta, nosso  apoio e a nossa luta para que eles sejam   reconhecidos como verdadeiras vítimas da sanha sanguinária de fanáticos que hoje, seus seguidores de ideologia  tentam nos impingir como  heróis .

Os seus algozes, na ânsia de implantar uma ditadura comunista em nosso país, apoiados por Cuba, União soviética,China e outros, iniciaram uma luta fraticida que envolveu jovens e enlutou o País  Hoje, no poder, infelizmente  eles estão reescrevendo a história..

A lembrança dos verdadeiros heróis, aqueles que lutaram para manter a ordem no país,  nos  enseja, verdadeiramente, o anseio de que a sociedade brasileira lhes faça justiça  por terem perdido a vida no confronto do qual os seus verdugos, embora derrotados, exibem, na prática, os galardões de uma vitória bastarda, urdida por um revanchismo odioso.

Hoje,eles, que atentaram contra o Brasil, reescrevem a história, se passam por vítimas e heróis e nós não temos nem  mesmo o lenitivo de nossos mortos serem pranteados .

Cabe-nos lutar para que nossas vítimas não sejam esquecidas e que seus familiares não sejam afrontados com mais essa homenagem que parlamentares comprometidos ideologicamente com a causa comunista pretendem aprovar.

Move-nos, verdadeiramente, o desejo de que a sociedade brasileira  faça justiça aos que foram  covardemente assassinados pelos terroristas e resgate aos seus familiares a certeza de que  não morreram em vão . Move-nos o desejo de que a sociedade acorde e repudie mais essa afronta ao sofrimento de pessoas que perderam seus entes queridos que foram  covardemente assassinados. Poucos conhecem seus nomes.

Durante todos estes anos, suas famílias, em silêncio resignado, reivindicaram dos governantes,  um mínimo de coerência, a fim de que possam  acreditar que eles não morrerem em vão.

A esses heróis o reconhecimento da Democracia e a garantia da nossa permanente vigilância, para que o sacrifício de suas vidas não tenha sido em vão.

 

Abaixo  reportagem da época sobre a morte de um desses heróis :  Nelson Martinez Ponce, que, morto  aos 29 anos,  deixou viúva e três filhos pequenos.

Organização  terrorista que praticou o atentado : Molipo .  Coordenador da ação  e autor dos disparos :Aylton Adalberto Mort
 
 
 
 

Adicionar comentário