Por G Anhanguera
O Cel do Exército Brasileiro, CARLOS ALBERTO BRILHANTE USTRA acaba de ser condenado pelo Juiz Gustavo Santini Teodoro, da 23ª Vara Cível de São Paulo, a "ostentar" o título de torturador, num estranho processo sobre fatos supostamente ocorridos há cerca de 40 anos atrás, quando cumpria a missão que lhe foi determinada pelo Governo Brasileiro, através do Exercito, de presidir o Centro de Operações de Defesa Interna do Estado de São Paulo (DOI-CODI).
 
 
 
 
 

Texto completo

 

 

Incomoda aos ouvidos de todos. o silêncio do "grande mudo", a respeito do assunto. Afinal o Cel Ustra sempre foi elogiado, pelo Exército, por cumprir bem e corretamente suas missões, inclusive no DOI-CODI. Preferimos acreditar que, por questão de tática, é que ele, "o mudo", entalado com milhões de sapos engolidos nos últimos anos, esteja silencioso e que, quando desengasgar e gritar, o fará de forma ampla e profunda, para fazer tremer os vendilhões da Pátria. Deus queira.

Vivemos atualmente num País da Mentira, Num País do Faz de Contas, Num País do Não Sei de Nada, Num País dos dólares em cuecas, de mensalões e dos mensalinhos, das negociatas que passam por barracos e por palácios, das jogadas que misturam bandidos, polícias e justiça e que transformam assassinos, assaltantes de cofres, e terroristas de todas as espécies, em heróis ricamente indenizados, etc etc etc.

Seria ingenuidade se esperar que num País, onde os bandidos são homenageados como heróis, o cel Ustra, que recebeu a missão de os combater, tivesse alguma chance de ser visto de forma diferente da que foi apelidado.

Num Brasil atual, apenas para se exemplificar com militares, citamos o tratamento do atual governo ao Capitão Lamarca, oriundo do mesmo Exército, que assaltou o seu próprio quartel, desertou de sua instituição, assassinou friamente, inclusive um ingênuo e abnegado tenente da Polícia Militar Paulista, além outra inúmeras barbarias cometidas em nome da causa marxista, é promovido pelo governo a coronel com vencimentos de general e destacado como herói nacional, pelo "mérito" de haver se enveredado pelas teias do crime e da violência em nome da causa comunista Esse governo, jamais vai ter o mínimo de respeito, isenção e honestidade, ao julgar um dos que estavam do lado oposto de Lamarca e outros bandoleiros daquela época e que eram seus companheiros.

As pretensas vitimas do Cel Ustra não trazem nenhuma marcas no corpo ou no espírito, para configurar as ditas torturas, muito pelo contrário. As vítimas do coronel/general Lamarca, embabadas em sangue que ficaram nas ruas e estradas, só são lembradas por seus órfãos e parentes, diante de uma justiça literalmente cega.

O pior de tudo isso é que os internacionalistas de ontem, que queriam entregar o Brasil ao marxismo Russo, Chinês, Cubano ou Albanês, hoje continuam internacionalistas, só que apaixonados pelo capitalismo internacional e preocupados em se tornarem rapidamente ricos empresários, potentes fazendeiros ou hábeis doleiros. Na realidade, acima das ideologias, como se diz por aí, o lema deles é : "tudo por dinheiro"

Só não perdoam os militares que retardaram seus sonhos de enriquecimento e poder.

Assim sendo o Cel Ustra não deve se preocupar, surpreender e importar com o apelido que lhe deram seus inimigos vicinais.

Pior seria se o houvessem confundido com os bandidos de ontem e os ladrões de hoje e o tivessem elogiando. Aí seria extremamente constrangedor e grave.

No Brasil do faz de conta e da mentira, de hoje, o vergonhoso é ser chamado de herói, é receber medalhas e condecorações ao lado de homenageados indevidos, é ter de assistir o dinheiro do povo ser desviado para indenizar bandidos e assassinos, ao lado de algumas possíveis vítimas de 1964, é se constatar o roubar impunemente,

Enquanto isso a "esquerda capitalista" , usando a linguagem surrada da bandeira rasgada do ideais marxistas de luta contra o vil metal, interligando espertamente as opostas vertentes do "Foro de São Paulo" com o "Diálogo Interamericano", tal como o "Samba do Crioulo Doido do saudoso Stanislaw Ponte Preta, domina a mídia e "encanta" os nossos ingênuos empresários.

Um dia, quando passar esse festival de besteiras e mentiras que assolam o Brasil atual, a verdade será restabelecida. Os heróis serão realmente os heróis. Os bandidos realmente os bandidos e os que transformaram este País numa mistura de circo e de palco de falsas encenações globais, serão chamados prestar contas a uma história verdadeira e implacável.

Tenha paciência cel Ustra e outros militares, vítimas da mentira e da insanidade própria dos bandidos que infestam e dominam o atual cenário político brasileiro. Sua missão foi cumprida com honra, equilíbrio e dignidade. Não pediu e nada ganhou a mais pela luta bem lutada, nem mesmo sua família, muito pelo contrário.

Nunca devemos nos esquecer que inimigos não mandam flores, especialmente os desqualificados, desonestos e mentirosos e os que, pela causa marxista, não tem honra, dignidade, ética, amor ao próximo, equilíbrio e qualquer sentimento de brasilidade/

Esta é uma singela manifestação de solidariedade do G Anhanguera ao Cel Ustra, seus familiares e extensiva a todos os que lutaram e lutam pelo Brasil Verde e Amarelo e nunca aceitaram e aceitam serem subjugado pelo marxismo ou pelo capitalismo internacional, ou ainda pior, por ambos cumpliciados./

 

* G Anhanguera: "Lealdade sim... Cumplicidade nunca!"

 

Adicionar comentário