Produzido pelo TERNUMA Regional Brasília
Por Paulo Carvalho Espíndola, Cel Reformado

No dia 10 Outubro de 2008, iniciou-se sombrio por tudo o que me cerca e, acredito, pelas crescentes preocupações dos propalados 80% dos brasileiros que os “institutos de pesquisa” aferem como satisfeitos com o governo do “noço” guia.

 

Texto completo

Logo cedo, ao ver e ler os noticiários, deparei-me com a histeria que assola o mundo por causa da quebradeira do mercado financeiro. Leigo no assunto, embora tranqüilizado pelo amanteigado ministro das finanças e pela sábia e profética palavra de Lula, segundo a qual tudo não passa de “marolas”, passei a ler as páginas esportivas: mais marolas fazem as “zelites” dos jornalistas acerca de Vasco e Fluminense, agourando os dois e condenando-os a disputar a segunda divisão no ano que vem. Menos mal, pois que me restou esperança de ver o meu Flamengo campeão, a despeito das estatísticas e profecias dessa gente entendida em futebol, como o são os economistas oficiais.

O dia, certamente, não foi dos melhores.

Por volta das dez horas da manhã, fui ao cemitério para velar um grande homem, que deixou entre nós uma infinidade de amigos e admiradores. Foi-se o nosso Machadinho, o nosso general Edson Machado, expoente do Exército Brasileiro e do TERNUMA, que se juntou à nossa causa pelo seu idealismo e amor ao Brasil, mesmo sem nunca ter sido convocado, nos “anos de chumbo”, para combater a insânia comunista. Foi-se um homem sem mácula, honrado, militar dos melhores, cavalariano de Osório e exemplo de esposo, pai e companheiro, no melhor sentido deste último adjetivo. A sua fisionomia de morto, muito antes de levar-nos às lágrimas, pareceu-nos um incentivo a motivar-nos a prosseguir combatendo o que aí está. Capela repleta, curiosamente, não havia tristeza, pois que velávamos um combatente do bom combate. A postura valente da viúva, a incansável Dª Ilka, mesmo que silente, só nos confortava a sublimar as tristezas e o desencanto dessa grande perda.

Certamente o dia não foi bom. Ainda estávamos a digerir as más notícias da véspera, alardeadas por toda a imprensa, sobre uma decisão “política e moral” do Tribunal de Justiça de São Paulo, condenando um combatente da Democracia, o Cel Reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, à pecha de torturador, baseando-se em provas meramente testemunhais de supostos torturados, que se embaíram por causas imorais e fratricidas. Julgamento político? Desde quando a Justiça é política? Desde quando a moral é o apanágio de criminosos políticos? Desde quando criminosos políticos não são criminosos? Matar, roubar, mutilar inocentes, seqüestrar não são crimes se cometidos por motivações políticas? A aceitação disso é condenar toda a sociedade brasileira ao proxenetismo da criminalidade.

Dias melhores virão, sem dúvida, embora o turbilhão da economia venha varrer o mundo globalizado. Somente ela, todavia, será capaz de abrir os olhos dos 80% da sociedade brasileira para essa enganação toda.

O sorriso do Machadinho agora passa a iluminar os caminhos do Grupo Terrorismo Nunca Mais.

Parece de propósito, mas a indignação não me trouxe maiores mossas à minha gastrite, ao ver no Jornal Nacional as figuras de José Dirceu e Franklin Martins na inauguração de um infame memorial a criminosos promovido pela UNE. Lá estavam fotografias e testemunhos dessa gente que intentou contra o Brasil e continua intentando, ricos de muitos dinheiros e de poder, mas esmoleiros de dignidade. O sorriso do Machadinho sobrepôs-se a essas cenas dantescas.

Finda-se o dia. Renascem esperanças.

Certa vez, disse-me um grande chefe que uma grande nação renasce de grandes catástrofes. Se não existem as naturais, só há as provocadas. 

Tudo indica que é o nosso caso.

A Economia será o grande coveiro dessa escumalha que está no poder no Brasil.

Os sucessores quais serão? Não sei, mas o sorriso do Machadinho há de nos orientar na busca.

 Visite o nosso site: www.ternuma.com.br .    

Adicionar comentário