Imprimir
Categoria: Diversos
Acessos: 2690

 Presidente consegue trégua de 15 dias no campo e promete acelerar reforma agrária
Flávio Freire (O Globo, 9Out08)
SÃO PAULO.
Os brasileiros donos de propriedades rurais no Paraguai voltaram a ser alvo de sem-terra daquele país, que tentam invadir suas propriedades. Dois seguranças de uma fazenda de um produtor brasileiro na cidade de Edelira, no sul do Paraguai, ficaram feridos num ataque realizado ontem por camponeses paraguaios sem-terra. As agressões ocorreram no mesmo dia em que o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, se reuniu com associação de camponeses e conseguiu estabelecer 15 dias de trégua para que o governo possa apresentar um plano de reforma agrária.

Texto completo

Segundo relatos dos ruralistas, no entanto, o acordo até ontem não tinha surtido efeito em todas a regiões. Os chamados brasiguaios estão sofrendo novas ameaças, agora também de brasileiros cooptados pelos paraguaios para ajudar nas ocupações.

- A situação aqui está cada vez pior. Hoje (ontem) mesmo os camponeses invadiram a minha propriedade e passaram por cima do plantio de milho. O pior é que eles estão tendo a ajuda de brasileiros que vieram para cá para ganhar terra na marra. Eles (sem-terra) estão armados até os dentes - disse o agricultor brasileiro Orestes Seminiamo dos Santos, que há 16 anos vive na região da La Terza, no estado de Itaguaçu, uma das regiões de maior conflito no campo.

 

Brasileiros continuam contratando seguranças

Na semana passada, uma ação de desocupação terminou na morte do sem-terra paraguaio Benvenido Mergarejo, em Porto Índio. Para se defender, os brasileiros ainda continuam contratando seguranças particulares, mas as invasões neste período costumam ser mais freqüentes por causa do período de colheita de grãos.