“O revolucionário deve ser uma fria e seletiva máquina de matar”.
(Che Guevara, citado por Jorge Castañeda; jornal “La Época”, do Chile, 31 de janeiro de 1997                                        
Por Carlos I. S. Azambuja 
       Um dos principais problemas com que as organizações e partidos marxistas-leninistas sempre se confrontaram na América Latina foi o de definir o caráter da revolução. Essa definição é considerada o ponto de partida para a formulação de estratégias e táticas políticas, que incluem alianças de classe, formas de luta, etapas da revolução, etc.
Durante 22 anos, o caráter da revolução foi definido pelo Komintern (III Internacional), tido como o “Estado-Maior ideológico do movimento revolucionário do proletariado mundial”, fundado em 1919. Com o fim do Komintern, em 1943, os partidos comunistas de todo o mundo, no entanto, não ficaram órfãos, pois suas tarefas passaram a ser desempenhadas pelo Departamento Internacional do Partido Comunista da União Soviética até o desaparecimento do país, em dezembro de 1991.
De conformidade com as análises científicas da nomenklatura encastelada no topo do Komintern, a estrutura agrária do continente sul-americano era classificada como feudal, a burguesia considerada progressista, os camponeses definidos como hostis ao socialismo coletivista e o continente concebido como uma espécie de Europa tropical.

Segundo esse raciocínio, o proletariado – força motriz da revolução – deveria aliar-se temporariamente a uma parte das burguesias nacionais, mesmo vacilantes, em busca da neutralização dos setores burgueses considerados ligados ao imperialismo. Isso porque o Komintern considerava que as condições sociais e econômicas da América Latina ainda não estavam amadurecidas para a revolução socialista. O objetivo era, então, concretizar uma etapa histórica democrática e antifeudal, como na Europa do Século XIX.

Até o desmonte do socialismo real, o caráter da revolução foi a principal causa impeditiva da unidade dos diversos partidos, grupos e seitas comunistas constituídos em decorrência das inúmeras cisões e reagrupamentos ao longo dos tempos, fundamentalmente após a Revolução de 31 de Março de 1964, todos reivindicando ser o partido da revolução. Uns consideravam que a etapa da revolução deveria ser socialista, outros, democrática e antifeudal.

Todavia, em 1959, a revolução cubana deu início a um novo período revolucionário no continente, com a ascensão de correntes ultra-radicais cujos pontos de referência comuns eram a natureza socialista da revolução, conferindo, assim, legitimidade à luta armada. Sua inspiração, além do exemplo da revolução cubana, foram os escritos de Che Guevara – livro “Guerra de Guerrilhas” – e de Règis Debray – livro “Revolução na Revolução” -.

Essa teoria subverteu a concepção marxista-leninista até então existente, passando a definir que com um grupo de homens decididos tornar-se-ia possível instalar um foco guerrilheiro em uma área rural. Esse foco catalisaria todas as rebeldias, iria crescendo de forma inexorável, ganhando a população, até transformar-se em um exército, derrotar o inimigo e apoderar-se do Poder. Só então daria à luz a uma vanguarda política, invertendo, assim, a ordem dos fatores, com a luta armada precedendo o partido.

A partir daí, um novo ciclo revolucionário teve início na América Latina.
Paralelamente, a concepção maoísta do cerco das cidades pelo campo foi adaptada à realidade brasileira por um texto do Partido Comunista do Brasil: “Guerra Popular, Caminho da Luta Armada no Brasil”. Essa teoria, quando posta em prática resultou na Guerrilha do Araguaia, dizimada nos anos de 1972 a 1974.
A concepção chinesa de “guerra popular prolongada” apresentava duas divergências fundamentais com o foquismo: mantinha o fator militar subordinado ao fator político, mostrando que o partido precede a guerrilha, e assegurava que esta não teria condições de desenvolver-se sem um trabalho político anterior entre os camponeses.

Essas táticas acima resumidas – Foco Guerrilheiro e Guerra Popular Prolongada -, onde quer que tenham sido postas em prática, causaram uma montanha de mortos. Experts estimam que foram cerca de 500 mil em toda a América Latina. E no Brasil não foi diferente.
Manuel Piñero Losada (“Barba Roja”), que por cerca de 30 anos dirigiu a Inteligência cubana, falecido em Havana em 1998 em um estranho acidente de automóvel por ele dirigido, será recordado como o homem encarregado de exportar a revolução cubana para toda a América Latina, tendo sido, como tal, o grande responsável pela militarização da esquerda.

Desde o seu posto, inicialmente no Ministério do Interior e posteriormente no Departamento América do Comitê Central do PC Cubano, impulsionou todo o tipo de guerrilhas e insurreições e, após o desmonte do socialismo real com o conseqüente fim do auxílio financeiro fraternal que Cuba sempre recebeu da União Soviética, passou a utilizar a mão-de-obra ociosa dos guerrilheiros derrotados no continente em seqüestros de empresários como os de Abílio Diniz e Washington Olivetto, no Brasil, e outros, em diversos países, para fins de obtenção de resgates e, assim, obter fundos para o Serviço de Inteligência cubano, uma vez que o “ouro de Moscou” deixara de fluir.

Em julho de 1961, ainda no governo Jango e antes, portanto, da eclosão da luta armada no Brasil – que só ocorreria em 1966 – 13 militantes das Ligas Camponesas foram mandados a Cuba, por Francisco Julião, líder das Ligas, para treinamento militar. Esse grupo foi, historicamente, o pioneiro na relação político-militar entre a revolução cubana e a esquerda armada brasileira. Desde então, até o início dos anos 70, estima-se que 260 brasileiros tenham recebido, em Cuba, treinamento militar, descrito, aliás, pelo então militante da ALN José Dirceu – que recebeu esse tipo de treinamento com o codinome de “Daniel” - e era tido como um “comandante” - como “um vestibular para o cemitério” (Jornal do Brasil de 27 de dezembro de 1998). Talvez por isso, após seu retorno ao Brasil, ao final do curso em Havana, ele tenha optado pela deserção, abandonando à própria sorte seus companheiros do Movimento Popular de Libertação (MOLIPO).

Também na Academia Militar de Pequim um grupo de cerca de 40 brasileiros do Partido Comunista do Brasil e da Ação Popular foi treinado nas táticas da luta armada. O primeiro grupo de militantes do PC do B embarcou para Pequim em 29 de março de 1964, ainda no governo Jango, retornando em 1966 e sendo deslocado para a selva do Brasil Central para o início da montagem daquilo que seria a Guerrilha do Araguaia, embrião da guerra popular prolongada. Outro grupo, da Ação Popular, viajou para a China em 1966, e seus integrantes “regressaram ao Brasil transfigurados e logo depois transformariam a AP numa organização marxista-leninista-maoísta” (declaração de Herbert José de Souza – “Betinho”, então Coordenador Nacional da AP).

Em dezembro de 1962, diversos militantes das “Ligas”, que haviam sido treinados em Cuba, constituindo um grupo denominado “Movimento Revolucionário Tiradentes”, foram presos quando tentavam montar um foco guerrilheiro em Dianápolis, Goiás. Essas prisões foram noticiadas pelo jornal “O Estado de São Paulo” de 4 de dezembro de 1962.

Em 1963, ainda no governo João Goulart, as “Ligas Camponesas” foram praticamente aniquiladas politicamente pelo... Partido Comunista Brasileiro – contrário à luta armada - que, aliado a setores da Igreja, fundou a Confederação dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) e rapidamente assumiu o controle dos sindicatos rurais manipulados por Francisco Julião. Ou seja, dois grupos de comunistas brigando pelo mesmo capim.

Não obstante, em 31 de março de 2004, num esforço para reescrever a História, Celso Furtado, ex-presidente da SUDENE durante o governo Jango e ministro da Cultura quando do governo Sarney, demonstrou que desconhece a História de seu país. Declarou, em Paris, em entrevista a Reali Junior, de O Estado de São Paulo, que a Revolução destruiu as “Ligas Camponesas”, um movimento social...
Em 1967, um ano após a realização da Conferência Tricontinental, em Cuba, foi realizada, também em Cuba, a “I Conferência da OLAS”, evento do qual Carlos Marighela, membro da direção do PCB, participou.

Entrementes, no Brasil, a direção do PCB decidia que ele seria expulso do partido tão logo regressasse ao Brasil. E foi o que ocorreu.
Em março de 1968, Marighela definiu a denominação de sua Organização, até então uma dissidência do PCB conhecida como Ala Marighela: Ação Libertadora Nacional (ALN), que rapidamente seria transformada no maior grupo em atividade na guerrilha urbana.

Introduzido por Frei Beto no Convento dos Dominicanos, em São Paulo, com o codinome de “professor Menezes”, rapidamente o Convento transformou-se na principal rede apoio da ALN, com o conhecimento e a aquiescência do Provincial, frei Osvaldo Augusto de Rezende Junior.

Antes disso, em 1967, vários dissidentes do PCB também favoráveis à luta armada haviam constituído o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário. Entre esses dissidentes estava Apolônio de Carvalho que, posteriormente, um Ministro da Justiça considerou um “herói” e propôs sua promoção a general!

Frei Beto, que foi preso em 11 de novembro de 1969, 7 dias após a morte de Marighela delatado pelos seus colegas dominicanos, em seus depoimentos à Polícia, deixou claro que eles, os dominicanos, que participavam do projeto de luta armada estavam cientes disso desde o primeiro momento. Ou seja, Frei Beto delatou seus kamaradas dominicanos que haviam delatado Marighela.
Então, ainda não existia a chamada delação premiada...

 

 

 
 

 
 
 

Comentários  
#4 Carlos de Carvalho 20-02-2015 18:27
“O revolucionário deve ser uma fria e seletiva máquina de matar”.
Então, o prefeito de MARICÁ, RJ, inaugurou um HOSPITAL COM O NOME DESSA FIA E SELETIVA MÁQUINA DE MATAR... Esperar mais o quê ?
O JACU, PEÃO da PTROUBRAS, na Bahia, trocou o nome do ilustre Presidente EMÍLIO GARRASTAZU MÉDICE pelo não menos assassino cruel, guerrilheiro, comunista: calos marighella... Como prêmio pelo ÓDIO AOS MILITARES, a GUERRILHEIRA o colocaram para sinistro da defesa, mandando nas três FORÇAS ARMADAS.
#3 fim de linha 20-02-2015 16:31
Tudo isso, foi anistiado pelo governo militar em nome da pacificação do Brasil...Não deve existir na história brasileira erro estratégico maior, ainda por cima legalizaram o petê, a apoteose deslumbrada de tudo que esta descrito acima...
#2 Fernando Fernandes 20-02-2015 15:41
É inacreditável que estes fatos ocorreram no Brasil.
"Êta turminha do barulho".
Graças a Deus, fomos salvo pelos militares
Fernando Fernandes
#1 Oficial SIP 20-02-2015 13:22
!!! O luto continua !!! Por que? As Forças Armadas que tudo fizeram para libertar o Brasil e o conseguiram pela Contra revolução de 31 Mar 64. Hoje, aqueles que seguiram o verdadeiro caminho da honestidade, são perseguidos por uma ex-CNV !!! "Aqueles que forem brasileiros, sigam-me"!!!Ass im, se manifestou o Duque de Caxias!!! Agradecemos pela história muito bem ilustrada e que, por diversas vezes estudamos, vimos e ouvimos. Entretanto, deveria ser melhor divulgada aos jovens de nosso país !!! E, aos policiais dos Estados brasileiros, para entenderem melhor !!!! Obrigado - dias melhores virão - O Senhor Deus dos Exércitos, nos libertará dos males atuais - Fora lulocomunopetis mo - Cassação ou impeachment já ????
Adicionar comentário