Vladyr Oliver
Mas, afinal, o que o Petrolão tem a ver com a Smartmatic? O cheiro. Desde o ano passado venho espalhando em meus desagravos pendurados neste ilustre condomínio digital que há uma estranha e oportuna divisão de tarefas – e pesos e medidas – que, se de um lado “prende a arrebenta” o cartel dos construtores “capitalistas” do país, por outro blinda a corja política esquerdossaura de sempre, uma vez que até o momento não sabemos sequer os nomes dos ilustres vigaristas envolvidos em toda essa falcatrua.

Note-se também que, enquanto essa primeira quadrilha é julgada em primeira instância por um juíz casca grossa e correto, a “banda dos corrompidos” será julgada por aquele tribunal supremo que não vê uma quadrilha onde já há um exército. Duvido muito que a “punição exemplar” conferida aos capitalistas de turno seja a mesma reservada a estes socialistas em botão que fazem parte dessa confraria dos vagabundos com crachá, mandato e prontuário. Os 40 anos de prisão do carequinha – não o palhaço, mas quase – que atuou no Mensalão me faz crer que profissão de risco mesmo é ser babá de político e entregar malas de muamba e de propina para esta corja eleita continuar seus golpes baixos contra a decência.

Prego no deserto. E prego no deserto afunda sem fincar, meus caros amigos. Para quem não teve um insight da cena eleitoral, descrevo aquela salinha fechada onde aquele juíz advogadinho da petralharia se enfurnou, para planejar em parceria com os “técnicos” bolivarianos da Smartmatic um resultado “mais favorável” para a anta de bigode que teremos de engolir por aqui por mais quatro anos. Escolado naquele “ar de marmota” que todo petista vagabundo ostenta quando está mentindo – o que vem acontecendo ao longo destes três mandatos dessa corja picareta –, dá pra enxergar que nem a dona acredita que ganhou mais esta, não fosse a roubalheira covardemente esquecida sob o tapete da justiça eleitoral dos apilantrados.

Do lado de fora da porta, os emissários da “oposição” que não se opõe a nada esperam pacientemente pela galhofa e vigiam os corredores, caso alguém venha dar voz de prisão a mais esse grupo de embusteiros. Pensem bem, meus amigos. Eduardo Campos morreu por conta de uma “desorientação espacial” do piloto do jatinho em que se encontrava, descendo com vontade quando pensava estar subindo. Do mesmo modo, morreram Aécio Neves e Marina Silva, da mesma desorientação espacial que carrega tudo mal e porcamente para o lado esquerdo, onde tudo é mais encostado num barranco e a chance de despencar de lá é maior.

Nenhum golpe eleitoral seria engendrado sem a pusilânime falta de fiscalização por parte das oposições. Neste caldo, quem quer encontrar a verdade e descobrir-se cúmplice das falcatruas? “Não há como vencer o terror sem vencer o politicamente correto que lhe abre caminho” – é a frase magistral cunhada pelo Felipe Moura Brasil aqui mesmo. Pois eu a parafraseio afirmando que não há como vencer essa vigarice epidêmica que tomou o poder sem vencer primeiro a “desorientação espacial” de nossos políticos. Essa mentalidade bronca e relativa, que não vê crime onde já há um estado de putrefação de nossa democracia.

Está na hora desses empreiteiros presos abrirem o bico em uníssono e delatarem a politicanalhada acobertada nesses escândalos. Ou receberam o suficiente para irem presos sozinhos, sem o resto do bando? Se jogarem uma lanterna nesse pântano, vai ser patético ver situação e oposição abraçadinhos, na mesma lama, praticando o kama sutra. São “cumpadres”, esses picaretas. Ninguém me convence do contrário. 

fonte: ¨ blog¨do JORNLISTA AUGUSTO  NUNES

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar