Por Eduardo Kattah, BELO HORIZONTE - Estado de São Paulo
Ato da Via Campesina em Minas prejudicou circulação de trens de carga e afetou cerca de mil passageiros
Pela segunda vez em uma semana, manifestantes ligados à Via Campesina, entre eles integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST), ocuparam uma linha férrea da Vale em Minas Gerais. O ato reuniu ontem mais de mil pessoas, conforme a Polícia Militar. Os manifestantes ocuparam durante cerca de 11 horas a Estrada de Ferro Vitória-Minas, no quilômetro 339, em Governador Valadares.

Texto completo  

A invasão da ferrovia, segundo a Vale, prejudicou o transporte de cargas e interrompeu a circulação de trens nos dois sentidos, impedindo também o embarque de cerca de mil passageiros. Na terça-feira, manifestantes da Via Campesina e da Assembléia Popular bloquearam por seis horas a Ferrovia Centro Atlântica (FCA) - subsidiária da Vale -, no bairro São Geraldo, na capital mineira.

Os invasores exigiam que a mineradora abrisse negociação com cerca de 500 famílias da comunidade Pedra Corrida, que, segundo os movimentos, serão desalojadas pela barragem de Baguari, construída pela empresa na divisa dos municípios de Governador Valadares e Periquito. Protestavam também contra a construção da Barragem de Aimorés, pela Vale e pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que estaria prejudicando famílias que vivem na região.

“A barragem em Valadares vai expulsar mais famílias, enquanto não foram resolvidos os prejuízos da obra em Aimorés. Os crimes ambientais e sociais cometidos pela Vale continuam e, até o momento, não aconteceu o assentamento das famílias”, acusou Vandelei Martini, coordenador do MST e integrante da Via Campesina. Entre outras reivindicações, os invasores cobravam também aumento dos royalties pagos pela mineradora.

Os manifestantes do MST, da Via Campesina e do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) chegaram ao local por volta de 6h15 em sete ônibus. Até o fim da manhã, no local havia 16 ônibus e mais de mil pessoas. O protesto foi engrossado pela Assembléia Popular, que reúne moradores da região. Um trem com 168 vagões vazios que vinha de Vitória foi parado.

A Vale entrou com um pedido de reintegração de posse e uma liminar foi deferida pela Comarca de Governador Valadares. A linha férrea foi desocupada por volta de 17h30 e, segundo a PM, não foram registrados incidentes.

 

PERNAMBUCO

Sem-terra bloquearam durante toda da manhã a BR-110, entre os municípios de Inajá e Ibimirim, no sertão de Pernambuco, e a BR-232, em Pesqueira, no agreste, em protesto contra o agronegócio. De acordo com o MST, cerca de 500 pessoas participaram das ações. Em Pesqueira, a manifestação contou com o apoio de índios xucurus.

Cerca de 200 manifestantes de movimentos ligados à Via Campesina realizaram marcha em Rosário do Sul, sudoeste gaúcho, em direção à Fazenda Tarumã. O objetivo foi criticar a possível mudança na lei que define a faixa de fronteira e a aquisição de terras nessa área por empresas estrangeiras.

COLABORARAM ANGELA LACERDA e SANDRA HAHN

Adicionar comentário