Carlos Newton - Tribuna da Internet - 17/10/14
Apesar das baixarias de sempre, foi interessante e revelador o debate presidencial transmitido pelo SBT. Como aconteceu no programa anterior, exibido terça-feira pela Band, a presidente Dilma Rousseff novamente surpreendeu e se apresentou além das expectativas, sem apresentar o raciocínio confuso e o linguajar enrolado que caracterizam suas apresentações ao vivo.
Bem treinada e municiada pelo marqueteiro João Santana, Dilma começou confiante, fazendo as acusações de sempre contra Aécio Neves, que dava as respostas de sempre, e o mano a mano estava parelho, com os dois no mesmo nível, até que a candidata do PT voltou a denunciar o “nepotismo” de Aécio, dando chance a que ele pudesse exaltar o espírito público da irmã Andrea Neves, que desenvolveu importante obra social em Minas, sem receber qualquer pagamento, trabalhando apenas como voluntária.

Se Dilma tivesse lido os jornais hoje, saberia disso e não levantaria a bola para Aécio, que terminou o bloco dando um duro troco, ao denunciar que o irmão de Dilma, Igor Rousseff, foi nomeado pelo então prefeito Fernando Pimentel em Belo Horizonte e jamais compareceu ao trabalho. Com essa bobeada de Dilma, o candidato do PSDB se saiu melhor no primeiro bloco.
SBT SE PORTOU BEM

Ao contrário do que ocorreu no debate da Band, quando a candidata do PT foi favorecida pela estranha inserção de duras propagandas do PT atacando Aécio Neves, a direção do SBT teve o cuidado de não inserir nenhuma publicidade relativa à eleição presidencial, poupando os dois candidatos.  Mas exibiu propagandas da eleição estadual e no Rio de Janeiro acabou beneficiando Pezão, com um comercial desmoralizando o candidato Marcelo Crivella por ser da Igreja Universal, criada pelo bispo Macedo, que é tio dele.

O segundo bloco começou com Dilma Rousseff dizendo que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, num dos depoimentos, acusou o ex-deputado Sérgio Guerra (PSDB-PE) de também ter recebido propina.

Aí voltaram as acusações de corrupção para lá e para cá, nada de novo no front ocidental, e depois o assunto passou a ser segurança pública, em que Aécio se saiu bem, porque teve oportunidade de citar os projetos de lei que apresentou no Congresso e que estão engavetados pelo PT.

Depois, veio o tema mobilidade urbana e Dilma Rousseff fez uma declaração inacreditável, ao proclamar que “estão sendo construídos metrôs por todo o Brasil”, mas Aécio bobeou, deixando a mancada dela passar em branco.

Neste bloco, Aécio voltou a se apresentar melhor, e teve até chance de citar o expressivo número de obras inacabadas dos governos do PT.

BATENDO PESADO

No terceiro e último bloco, Dilma Rousseff começou batendo pesado, citando o conhecido episódio ocorrido com Aécio Neves, que foi apanhado numa blitz da Lei Seca e se recusou a fazer o teste do bafômetro. O candidato do PSDB respondeu que estava errado, disse que deveria ter feito o teste do bafômetro e que se arrepende disso, e foi aplaudido por seus assessores e pelos tucanos que estavam na platéia.

O apresentador Carlos Nascimento recolocou ordem na casa e o debate prosseguiu, com Dilma insistindo em lembrar o caso do bafômetro. Aécio então respondeu duramente e passou a enumerar as mentiras de Dilma nos debates e os exageros propositais na propaganda eleitoral do PT para denegrir os outros candidatos e enaltecer a atual presidente.

O nível foi baixando e Dilma voltou a falar em supostas falhas do governo de Aécio em Minas e ele respondeu lendo a decisão do Tribunal de Contas do Estado, que aprovou por unanimidade as prestações de contas apresentadas por seu governo.

O programa ia chegando ao final e Dilma recorreu novamente ao caso das pistas de pouso nos municípios de Cláudio e Montezuma, e Aécio repetiu as mesmas explicações, acrescentando apenas que Minas Gerais tem hoje 92 aeroportos etc. e tal.

A última a falar foi Dilma e curiosamente cometeu um ato falho em sua frase final, ao chamar Aécio de “presidente”. Mas pouca gente percebeu a bobeada.

Carlos Nascimento então abriu tempo de dois minutos e meio para as últimas declarações, Dilma falou primeiro, naquele estilo meio hesitante, e depois Aécio voltou a se apresentar, encerrando o programa.

Resumindo: o candidato do PSDB voltou a se apresentar melhor, fazendo valer o prognóstico do mediador da Tribuna da Internet, ao analisar o primeiro enfrentamentos dos candidatos no primeiro turno:  “Se depender dos debates, Aécio será eleito”.

Depois do programa, Dilma passou mal, teve um problema de pressão e pressionou ser medicada no local.

###
PS – Uma observação final. Está pegando mal a insistência de Dilma Rousseff em colocar Minas Gerais no centro dos debates, ao invés de discutir propostas para o país. Desse jeito, a maioria do povo mineiro pode se unir contra ela, beneficiando Aécio.

 

Adicionar comentário