Leonardo Attuch Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. - ISTO É - 27/05/2008
Em 1960, João Gilberto lançou um disco que resumiu seu ideal de Brasil em três palavras: o amor, o sorriso e a flor. Agora, no momento em que se comemoram 50 anos da bossa nova, os instrumentos tocados pela banda que governa o País são também apenas três: o cofre, a cadeia e o dossiê. As chaves do cofre, naturalmente, estão nas mãos da patota mais próxima, os petistas de carteirinha. A cadeia e o dossiê servem para os inimigos, mas principalmente para os aliados que se tornam caros demais e, portanto, incômodos.
 

Texto completo

Exemplos desse método fascista de governar têm se repetido com freqüência - e deixado seqüelas. Em 2005, a crise do mensalão só veio à tona porque o Palácio do Planalto decidiu implodir um aliado inconveniente: o deputado Roberto Jefferson, do PTB. No ano passado, a CPMF foi para o brejo porque algumas lideranças petistas, de olho no comando do setor elétrico, montaram operações policiais contra os caciques do PMDB. Entre eles, Renan Calheiros e José Sarney. Desta vez, o alvo da central oficial de escândalos é o chamado bloquinho de partidos liderado por Paulo Pereira da Silva, do PDT, que reúne 79 deputados, apenas três a menos do que o PT. E o passo seguinte às denúncias, naturalmente, será a pressão pela retomada dos cargos federais entregues a essa turma.

Um dos integrantes do "bloquinho", o deputado Aldo Rebelo, que é pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PCdoB, enxergou o fenômeno. Disse que o PT é um partido que parece querer "devorar seus aliados". Usando uma referência da mitologia grega, comparou o Partido dos Trabalhadores ao deus Cronos, que, por medo de ser destronado, devorava todos os filhos que nasciam.

O ritual desses festins diabólicos é também curioso. Primeiro, a polícia política e o batalhão de inteligência do governo elaboram relatórios e dossiês, que abastecem a imprensa investigativa. Depois, os alvos das operações se dizem vítimas de conspirações palacianas e, em geral, apontam o dedo para a Casa Civil. Por último, buscam o derradeiro abraço do presidente Lula, que finge não ter nada a ver com nada. É uma lógica perversa, que vai deixando mortos pelo caminho e criando a sucessão de escândalos que domina o noticiário político. Mas é também um jeito perigoso de governar. De tanto devorar seus aliados, o PT acabará sendo comido por eles, num longo e delicioso banquete.

Adicionar comentário