MARIO CESAR CARVALHO
DE SÃO PAULO
14/08/2014  02h00
A morte de Eduardo Campos fortalece a candidatura de Marina Silva (PSB) e aumenta os problemas de Dilma Rousseff (PT) na disputa presidencial, segundo Marcos Nobre, professor de filosofia política da Unicamp.
Isso deve ocorrer, segundo ele, porque Marina tem "carisma, cacife, voto e recall" [lembrança dos eleitores].
Nobre, 49, diz que Marina tem condições de romper o que chama de "peemedebismo", o acordo de cavalheiros do PT e do PSDB com o PMDB, que começou em 1995, com a posse de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e persiste até hoje na gestão de Dilma Rousseff (PT). Leia a seguir trechos da entrevista.

Folha - O sr. foi o primeiro intelectual a prever que Campos seria candidato a presidente. De onde tirou essa previsão?
Marcos Nobre - Tirei essa ideia da consistência da carreira dele. Desde a faculdade ele montou um grupo político que o acompanha até hoje. Ele fez uma espécie de estágio com o avô, e herdou o PSB, no qual começou a nacionalizar a plataforma dele. Participando do governo Lula, ele ganha uma projeção nacional como articulador. Ao se tornar governador, ele se cacifa como candidato a presidente. Do ponto de vista pessoal, há um dado fundamental: ele trazia a experiência do avô de perda de "timing" [oportunidade]. Miguel Arraes queria disputar a Presidência, mas perdeu o "timing". Ele tinha esse temor.
 
Qual é a influência do PT na decisão de Campos?
O PT não abre mão de liberar esse condomínio de poder, não constrói verdadeiras coalizões políticas. Nós não temos coalizões políticas, temos um condomínio gerenciado por um síndico que é o PT. O PT poderia ter uma coalizão como no Chile ou Uruguai, onde há rodízio de candidatos. Quando a Dilma foi escolhida da maneira como foi escolhida [pelo ex-presidente Lula, sem consulta ao partido], ficou claro para Marina e Campos que eles nunca iriam ter chance com o PT.

Campos dizia que iria romper com a polarização entre PT e PSDB. Isso é possível?
Acredito que sim. A base do PSDB depende de São Paulo e Minas, e o Eduardo apostava nos outros Estados.
Quando o Eduardo sai candidato, ele aposta muito mais em 2018 do que em 2014.
Mas no momento em que faz a aliança com Marina ele percebe que dá para ganhar já agora.
Por que a aliança Eduardo-Marina não decola?
Não decola porque a campanha foi lançada na entrevista ao "Jornal Nacional", na véspera de sua morte. Ninguém tinha ideia de quem ele era. A exposição nacional dele começou ontem [terça].
Qual será o impacto da morte de Campos?
A morte piora muito a situação para o governo. Vai haver uma pressão insuportável para o PSB lançar a Marina. Insuportável. A Marina foi barrada pelo sistema político [referência ao fato de ela não ter conseguido registrar a Rede, partido que criara]. Agora que existe a possibilidade de ela ser candidata, o PSB barra também? Seria um preço muito alto para o partido. O PSB não tem saída.

O sr. acha inevitável que a Marina seja a candidata?
Imagine que o PSB peça ao Roberto Freire [presidente do PPS e aliado do PSB] para ir para o sacrifício e ser candidato a presidente.
Aí a Marina se retira e eles teriam uma campanha absolutamente irrelevante.
Outra possibilidade é o PSB lançar Marina e colocar como vice alguém do grupo de Campos.
O compromisso da Marina era com o Eduardo, e ela está numa posição de que pode fazer o que quiser agora.

O que ela deve fazer?
O sistema político, que excluiu a candidatura de Marina, será obrigado a trazê-la de volta com um cacife gigantesco. Isso acontece antes do horário eleitoral. Vai ter um período de confusão, mas acho que a Marina será candidata por causa da pressão sobre o PSB. Isso é ruim para o governo porque Marina tem carisma, cacife, voto e "recall" [lembrança dos eleitores]. O governo não contava com isso.

Marina tem condições de romper o que o sr. chama de "peemedebismo", a aliança que governa o Brasil desde FHC?
Em 2014, não. Isso vai acontecer, mas não será do dia para a noite. O sistema político vai ter de se organizar nesse sentido. Se não, não tem aprofundamento da democracia, com um debate público melhor. A tendência é o "peemedebismo" se romper em 2018. A candidatura do Eduardo era uma sintoma desse mal-estar com esse condomínio. A candidatura da Marina é a primeira que põe em questão o acordo de cavalheiros entre PT e PSDB.

Qual será o principal legado de Campos?
A principal coisa que ele fez foi enfrentar o acordo tácito entre PT e PSDB por meio de coalizões partidárias.

 

 

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar