CELSO MING
O ESTADO de SÃO PAULO - 14/08/2014

A primeira reação do mercado financeiro à morte do candidato Eduardo Campos foi inteiramente emocional, como se o nível de incertezas tivesse aumentado e como se as perspectivas da economia brasileira tivessem piorado

A primeira reação do mercado financeiro à morte do candidato Eduardo Campos foi inteiramente emocional, como se o nível de incertezas tivesse aumentado e como se as perspectivas da economia brasileira tivessem piorado.

A morte de um político jovem, com enorme capacidade de articulação, que apontava para mudanças sem perda do nível de segurança na condução da vida política brasileira, é profundamente lamentável.Mas se os desafios de política econômica não mudam, pode ter ficado bem mais difícil de montar um mecanismo capaz de dar resposta a eles.

De um certo ponto de vista, esses desafios se tornam mais complicados porque, sem Campos, o debate e o processo de criação de consciência que dele poderia advir podem perder profundidade e pertinência.

Os problemas de fundo também não mudam. O Brasil é, no momento, uma economia mal-arrumada, desequilibrada, dividida entre projetos de qualidade diferente: o de perseguir mais do mesmo, o de retomar uma administração mais conservadora e mais segura e o de partir para alguma coisa nova, que ninguém sabe exatamente o que tem de ser.

Na última terça-feira, por exemplo, o empresário Benjamin Steinbruch, presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e também no exercício da presidência da Fiesp, advertiu que a economia brasileira tem muita margem para piorar e, nessas condições, “só louco investe no Brasil”. Esta não é uma posição exclusivamente pessoal. É o que pensa a maioria dos empresários brasileiros e os que vivem de alocar e administrar recursos no sistema produtivo.

Na hora de apontar para uma saída, Steinbruch revelou mais perplexidade do que proposta. Ele se limitou a dizer que é preciso “algo muito diferente e muito agressivo, para arrumar as distorções”. A maioria dos empresários sabe o que não quer, mas não é capaz de armar um arcabouço que dê consistência à retomada. Não quer juros lá em cima, como estão hoje nem câmbio fortemente valorizado, como o de hoje. Também não quer esse custo Brasil insuportável. Defende contas públicas equilibradas, mais investimentos em infraestrutura barata, mais educação e saúde com nível de excelência para todos, mas não tem proposta sobre como montar a equação macroeconômica capaz de dar consistência a essas aspirações.

Como acontece nos tempos de crise, o maior problema consiste em como distribuir uma enorme conta a pagar pela sociedade e em como comandar mudanças que todos querem, contanto que os novos encargos sejam sempre transferidos para os outros. A saída não está só na amarração de respostas tecnicamente adequadas, mas, principalmente, em respostas politicamente viáveis.

Campos vinha contribuindo para apontar soluções modernas, identificadas com a reforma do Estado e com a reforma tributária. Defendia a criação de um sistema educacional sólido que preparasse a decolagem da economia e a criação de bases para o crescimento mais acelerado e mais sustentável.

Por ter surgido e se formado entre as esquerdas brasileiras e, portanto, por ter uma visão “por dentro” dos erros dos governos do PT, Campos tinha condições de defender mudanças que conduzissem a um novo choque de capitalismo moderno. Agora, esses movimentos têm de ser feitos sem ele.

Componente emocional

Com a morte de Eduardo Campos, a campanha eleitoral por rádio e TV começa dia 19 com um componente emocional de natureza inteiramente diferente do que estava sendo previsto pelos marqueteiros. Difícil saber quantas semanas vai durar.

Comments powered by CComment

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar