Enviei para o Estadão a mensagem abaixo, publicada no fórum dos leitores hoje, a respeito do artigo cujo link segue abaixo, de autoria de José Neumanne, que por sinal também me escreveu, agradecendo a colaboração.
For Marco Balbi

"Excelente, como sempre, o texto escorreito de José Nêumanne. Caberia, entretanto, aduzir a referência feita no segundo parágrafo sobre eventual crueldade praticada pelos militares contra os que se opuseram ao regime de exceção. Não resta a menor dúvida que os agentes do Estado se interpuseram contra aqueles que, mormente entre 1968 e 1974, lutaram o que se pode caracterizar uma guerra interna. A Ação Popular (AP), organização de extrema esquerda ligada à ala progressista da igreja católica, diga-se de passagem, foi a precursora da luta, ao organizar e executar o atentado à bomba no Aeroporto dos Guararapes, ainda nos idos de 1966, que redundou em duas mortes e quatorze feridos. No mais, parece-me que Nêumanne, Marilena e a direção do jornal estão cobertos de razão em se insurgir contra a ditadura petista que busca se consolidar no poder, tentando atingir o modelo venezuelano com o controle dos demais poderes e da mídia."

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,por-que-enterrar-as-verdades-de-agora,1169406,0.htm

Comentários  
#1 domenico 29-05-2014 00:07
É com profundo orgulho que me congratulo à Sra. Marilena Nakano por sua postura diante de fatos tão relevantes e que não podem ser ignorados pela sociedade e muito menos pela Justiça Brasileira ! São de pessoas como essa senhora que o Brasil deveria compor a maioria de seus cidadãos !
Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar