Ex-comandante do DOI-Codi de São Paulo divulgou notícia 31 minutos antes da imprensa
Juliana Dal Piva - 0 Dia – 29/04/14
Rio - Entre as primeiras pessoas que souberam da morte do coronel reformado do Exército Paulo Malhães na sexta-feira está o também coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-comandante do DOI-Codi de São Paulo (1970-1974). O DIA descobriu no Twitter do site de Ustra “A Verdade Sufocada” uma postagem sobre o assassinato de Malhães às 13h08 — 31 minutos antes da primeira notícia em página de empresa jornalística, às 13h39. O site “A Verdade Sufocada” tem o mesmo nome do livro escrito por Ustra, com sua versão sobre a repressão.

 No site de Ustra, a informação sobre a morte do coronel Malhães foi divulgada às 13h08 da sexta-feira

Observação do site www.averdadesufocada.com  : Quantas vezes eu vou ter que repetir que o site não é de militar. Será que ninguém acredita que, em pleno século 21, mulheres não são capazes de serem responsáveis por sites que não postem apenas assuntos como moda, culinária, beleza, novelas e outros bem mais leves e agradáveis do que este?
Leia acima resposta ao pronunciamento do Senador Randolfe Rodrigues (PSol - AP), sobre o mesmo assunto.
Não sei como  o deputado Natalini ainda não fez um relatório com 100 pontos, como fez com o acidente de JK tentando provar que foi um atentado, para incriminar o cel Ustra com a morte do Cel Malhães.  

 
A postagem no Twitter traz um link para a matéria no site do militar. A notícia diz que Malhães foi morto com quatro tiros. Há também uma referência ao assassinato do coronel Júlio Molinas Dias em 2012, e que ele guardava em casa documentos do caso Rubens Paiva.

A polícia informou na sexta-feira que o corpo de Malhães tinha sinais de asfixia. A viúva, Cristina, contou que os bandidos cortaram o telefone da casa. O coronel Ustra mora em Brasília.

O coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Pedro Dallari, considerou a informação importante para as investigações. “Esse levantamento vai ser importante. Acredito que vão ter que ouvir pessoas em função disso. É uma informação relevante”, afirmou Dallari, que ressaltou que todas as hipóteses devem ser investigadas.

O assessor da Comissão da Verdade de São Paulo Ivan Seixas disse que o site é uma referência entre os militares. “É a mais importante referência dos torturadores. É altamente suspeito ter essa notícia antes mesmo da própria imprensa. Isso chama a atenção e acho que devíamos exigir que a PF entre no caso”, observou Seixas.

Observação do site: Não sei, também, como Ivan Seixas não disse que viu ou que alguém lhe contou que o cel Ustra estava no dia do crime pelos lados da Baixada Fluminense no Rio, com uma equipe.
Desculpem a ironia num caso tão sério e triste como a morte de qualquer pessoa, mas  Ivan Seixas "esteve presente ou soube" de todos os casos em que o Cel Ustra é acusado de tortura, morte ou sequestros. Pelo visto  ele é onisciente e onipresente! 

Durante entrevista ao DIA em março deste ano, Malhães contou que ele e Ustra tinham trabalhado juntos em algumas operações. Ustra também prestou depoimento à Comissão da Verdade, em maio de 2013. Na ocasião, negou sua participação em torturas e assassinatos.

Procurado para falar sobre o caso do coronel Paulo Malhães, Brilhante Ustra não retornou até o fechamento da edição.

MPF apreende documentos e computadores

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro e a Polícia Federal cumpriram ontem mandado de busca e apreensão na casa do coronel reformado Paulo Malhães, em Marapicu, em Nova Iguaçu.

Durante as buscas foram apreendidas três computadores, mídias digitais, agendas e documentos do período da ditadura, inclusive relatórios de missões das quais Malhães participou.

 Peritos estiveram no sítio, em Nova Iguaçu, em busca de material que possa levar à identificação dos homens que assassinaram o militar e conversaram com o caseiro

O mandado, feito no sábado por procuradores da República do grupo de trabalho Justiça de Transição, foi concedido pelo juiz federal Anderson Santos da Silva. Segundo o MPF, o objetivo era apreender documentos e possíveis provas que possam contribuir para a elucidação de crimes cometidos por servidores públicos durante a ditadura militar.

Paulo Malhães foi agente do Centro de Informações do Exército na década de 1970. Os procuradores já investigavam o militar devido aos relatos em que confessou ter torturado e assassinado presos políticos.

Em dezembro de 2013 e março de 2014, o MPF tentou, inclusive, intimá-lo a depôr, mas o militar recusou-se a receber a intimação. A recusa foi antes de ele ser ouvido pela Comissão Nacional da Verdade (CNV).

Em março, antes do depoimento à CNV, Malhães admitiu ao DIA que participara de torturas e mortes durante a ditadura e que integrara uma missão em 1973 para desenterrar e ocultar a ossada do ex-deputado federal Rubens Paiva, desaparecido dois anos antes.

 

Comentários  
#3 Roberto Albernaz 02-05-2014 06:08
A contaminação dos órgãos públicos por estes assassinos "ex-terroristas " estão passando dos limites com a capacidade intelectual dos eleitores deste site. Acreditar que o site já sabia com antecedência dos fatos ocorridos mostra como eles estão deturpando e corrompem até a inteligência dos órgãos policiais.Já estão fazendo isso em escolas públicas,na imprensa corrupta e meios de comunicações vinculadas aos "parceiros" políticos,mas jamais irão fazer neste site,onde a VERDADE aqui é transparente.Po r isso Sr. Ivan Seixas e correligionário s de atentados terroristas do passado,lave a boca antes de falar qualquer asneira,pois aqui não tem nenhum formador de opinião.Aqui é FATO.
#2 Barbara 01-05-2014 05:41
Eu não entendi aonde estes caras querem chegar. A "Comissão dos Comunas" provocou um verdadeiro pânico na mídia envolvendo o nome do Coronel Malhães. Um depoimento que deveria ser sigiloso foi usado como um circo aonde "a fera" foi exibida para vender jornais. Deu no que deu. Quem conhece essa comunada justiceira já temia pela vida do Coronel.
A "Com Omissão da Verdade" promoveu uma sentença de morte para o coronel Malhães. Simples assim!!!
E agora? Vai inventar um culpado para seu crime anunciado? Vai convocar outro Coronel para fazer o mesmo? Para ser assassinado como os coronéis Molina e Malhães?
#1 OChatoraciocina mais 30-04-2014 17:10
Brasil acima de tudo! Excelente, já havíamos escrito para a megera(acidente em Nova Friburgo), de que a nossa fonte militar é enorme. Assim, comprova-se mais uma vez. Outrossim, esses m., digo, Senadores e políticos, jamais entenderão. Pois o petismo/comunis mo e nazifascismo os cegam. Curioso que não temos quase nenhum Direito e tratar-se realmente dos militares das FFAA, sem Direitos de reclamar. Curiosidade - o jornal o globo de 30/0414, publicou na coluna do Ilimar Franco pag 2-comentários - Pediu e não levou ipse liters: A ministra Mirian Belchior (Planejamento) calou ontem, na Câmara, protestode mulheres de militares pedindo reajuste salarial. Lá pelas tantas, Mirian disse no microfone: "Seus maridos não ganham mal, recebem R$17 mil por mês". Portanto, esqueceu que sd recebe 600,00 e sgt. 2.000. Será estavam presentes ali esposas de Marechais? Mesmo que fossem assim, o teto salarial no país é de 28.000.00. Todavia, muitos vagabundos recebem o teto. Só os mil FFAA não podem?
Adicionar comentário