Por VaniaLCintra

O Marechal Jean Bédel Bokassa - que foi Presidente da República Centro-Africana de 1966 a 1976 e, nomeando-se em seguida Imperador, só largou o osso em 1979, quando foi deposto - era antropófago.

"... aparecieron cuatro cadáveres en las neveras de Bokassa. Todos los indicios indicarían que estos 'alimentos' congelados estaban destinados a los festines del ex dictador: a los cuatro cadáveres les faltaban las manos y los pies y tenían abiertas las entrañas. Según los expertos en la materia, se trataría del 'corte' típico antropofágico."
http://elpais.com/diario/1979/09/26/internacional/307144816_850215.html

Numa dessas, “os militares e outros agentes da repressão” no Brasil também eram antropófagos. Por que não seriam? Quem nos garante que não eram?

Só não entendo por que teriam o cuidado de envolver em plástico as partes descartadas nos banquetes, por serem, por certo, menos saborosas (dizem “los expertos en la materia” que os polegares são um petisco dos deuses), antes de jogá-las nos rios. Por quê? Além de compulsivos poluidores de águas, será que tinham algum preconceito burocrático e autoritário contra alimentar os peixinhos famintos? Caramba! Vê-se que eram uns bárbaros!

Ou é que o Coronel Paulo Malhães - que gosta não só de contar histórias e de arrancar os dedos dos mortos, como também gosta, conforme ele mesmo declara (
http://blogdomariomagalhaes.blogosfera.uol.com.br/2014/03/21/ditadura-militar-diz-que-arrancava-dedos-dentes-e-visceras-de-preso-morto/), “de decapitar” os vivos - está absolutamente senil, e deveria ser internado, em vez de ser transformado em celebridade?

Gente... onde vamos acabar chegando com tudo isso? Eu não sei. Não sei, não... 

Adicionar comentário