Jaguar e Ziraldo também vão receber pensão mensal de R$ 4 mil por perseguição na ditadura
Rio - Os jornalistas Ziraldo e Jaguar ganharam ontem o direito de receber mais de R$ 1 milhão em indenizações pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça por alegados prejuízos que sofreram com a perseguição política durante o regime militar. O julgamento dos processos deles foi realizado na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Centro, juntamente com os de outros 18 jornalistas.

Texto completo  

“Aos que estão criticando, falando em bolsa-ditadura, estou me lixando”, discursou Ziraldo, em referência ao apelido dado à remuneração pelos opositores dos pagamentos liberados pela Comissão de Anistia. “Esses críticos não tiveram a coragem de botar o dedo na ferida, enquanto eu não deixei de fazer minhas charges. Enquanto nós criticávamos o governo militar, eles tomavam cafezinho com Golbery (do Couto e Silva, chefe do Gabinete Civil durante os governos Geisel e Figueiredo)”, emendou o cartunista, muito aplaudido pelos que acompanharam a sessão, a primeira feita fora de Brasília.

Jaguar está viajando e não quis falar sobre o assunto. Segundo sua mulher, Célia Regina Pieroantoni, o chargista só vai se pronunciar na próxima semana, quando voltar ao Rio.

Entre os beneficiados também está o jornalista Ricardo de Moraes Monteiro, chefe da assessoria de Comunicação do Ministério da Fazenda, que receberá R$ 590 mil. Preso e torturado durante a ditadura, Monteiro alegou ter perdido o vínculo com a empresa em que trabalhava por causa da perseguição. “Meu pai foi preso em 1974. Meu irmão foi preso comigo em 1975 e depois se suicidou. Essa dor não vai ser reparada”, disse ele, que receberá pensão de R$ 4,7 mil.

Já Ziraldo, escritor e chargista, e o cartunista Jaguar trabalhavam no ‘Pasquim’ quando o semanário sofreu forte repressão por ser considerado ofensivo pela ditadura. Os dois receberão pensão mensal de cerca de R$ 4 mil, além de uma verba de R$ 1.000.253,24.

O montante, que será parcelado, é retroativo a 1990, antes da criação da Comissão de Anistia, em 2001. Os jornalistas fizeram o pedido ao Ministério do Trabalho em 1990, por meio da ABI.

Comentários   
#5 Danilo da Silva 12-01-2015 07:30
Esta turma do Pasquim deveria agradecer todos os dias o fato de ter havido uma ditadura no Brasil, porque foi graças a ela que eles ficaram famosos sem merecer. Assim que a Ditadura acabou, o Pasquim fechou as portas e foi à falência por ser uma grande farsa construída por pseudointelectu ais que nunca tiveram nada a dizer. Eles são filhotes da Ditadura, isto sim.
#4 Danilo da Silva 12-01-2015 07:27
O Pasquim é um jornal que deveria agradecer a Ditadura por ele se tornar tão famoso sem nunca ter tido nada para dizer. A prova disto é que, quando a censura caiu, o Pasquim fechou, já que vivia da fama de contestador sem contestar nada.Quando teve liberdade para falar tudo que queria, ficou claro que nunca teve nada para falar, seguiu mudo e quebrou.
#3 Paul Hebrons 17-03-2014 17:11
Meu povo! o Lulala, foi convidado a tomar um cafezinho no CODE e esta recebendo também uma milionária pensão
#2 Tulio Cazzaniga 25-09-2013 19:53
Oh Ziraldo gostaria de saber como vc faria a sua própria charge recebendo todo esse dinheirão.
Dica: não pode deixar de ter um nariz de palhaço. Lógico que seria nas pessoas que estariam vendo vc receber.
Eu teria vergonha de receber esse $ pois concorda com este governo de ladrões e quadrilheiros.
#1 Silvio Ribeiro 14-04-2013 09:47
O que o Ziraldo não falou é que quem vai pagar pra ele somos nós, que pagamos impostos e que nada tivemos a ver com Ditadura.

Ele deveria cobrar dos generais ou seja lá quem for que ele acredite que deva pra ele.

É todo mundo idealista e cheio de ideias, mas quando se fala em dinheiro as ideias ficam de lado.
Adicionar comentário